1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Análise: Nióbio é matéria-prima para indústria militar e de alta tecnologia

Roberto Godoy - O Estado de S. Paulo

06 Dezembro 2010 | 17h 53

Abundante no Brasil, minério pode ser usado em reatores nucleares, mísseis e supercondutores

SÃO PAULO  - A preocupação dos Estados Unidos com reservas de nióbio e manganês no Brasil é procedente. As maiores reservas de nióbio do mundo, na proporção de até 88%, estão em território brasileiro. Boa parte na mina de Catalão, em Goiás- e cerca de 80% do total restante, na Amazônia e na parte tropical do Mato Grosso.

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

 

Para que serve? De cara, é fundamental para os filamentos das lâmpadas fluorescentes ou no processo da delicada soldagem de joias finas. O relevante é o que vem por aí, no limite do futuro tecnológico que começa entre 2013 e 2016.

O nióbio pode melhorar notavelmente a qualidade de aços inoxidáveis especiais, como os utilizados no manejo de petróleo. Na circulação de líquidos em instalações nucleares - água da refrigeração dos reatores, por exemplo -, consequência da baixa captação de nêutrons. É componente essencial na construção de motores de mísseis e de caças de alto desempenho.

A grande meta todavia é o uso do nióbio na construção de supercondutores, um campo de aplicação no qual os pesquisadores, físicos do estado sólido principalmente, não veem limites - de novos componentes eletrônicos para computadores de alto desempenho a sistemas de levitação magnética para trens de alta velocidade, passando por designadores de alta precisão de emprego na indústria militar.

O manganês, minério do qual o Brasil é o segundo produtor mundial entra na receita de quase tudo - sem ele o alumínio só serve para produzir panelas e o aço é um metal frágil - utilizado na fabricação de aços especiais, melhora virtudes como resistência ao desgaste e rigidez. Na liga com cobre e antimônio, resulta em um laminado ferromagnético, um espécie de imã, de aplicações em pesquisa científica de precisão. Vidros de alto grau de pureza destinados a laboratórios e ferrosos limpos de detritos dependem do manganês.