Annan troca crise síria por cartunistas

Mediador do cessar-fogo aproveita dia de sol em Genebra para visitar exposição à beira de lago

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2012 | 03h02

A cena surpreendeu até os habitantes da pacata cidade de Genebra. Ontem, enquanto na Síria o cessar-fogo era mais uma vez violado, seu mediador, Kofi Annan, admirava uma exposição de cartunistas à beira do Lago Leman.

O enviado da ONU e da Liga Árabe recusou-se a falar com a imprensa sobre a situação na Síria. Apenas parou quando lhe foi indagado sobre a importância dos cartunistas na defesa do direito de expressão. Annan é o presidente de honra da entidade Cartunistas pela Paz, liderada pelo francês Jean Plantu, que faz as tradicionais charges da primeira página do jornal Le Monde.

Ontem, a prefeitura de Genebra entregou um prêmio a cartunistas iranianos por sua coragem em denunciar as arbitrariedades do governo de Teerã. "Cartunistas são muito criativos. Eles dizem muito com tão pouco, sem humilhar as pessoas", afirmou Annan. Sobre a situação e mortes na Síria, silêncio. "Obrigado, obrigado", disse. "Outro dia", repetia.

Enquanto caminhava à beira do lago por cerca de 40 minutos, em um dia ensolarado da primavera europeia, Annan era guiado por Plantu. O francês explicava cada um dos cem cartazes colocados na mostra ao ex-secretário-geral da ONU.

Os dois apenas foram interrompidos por turistas de bicicleta, que pediram para tirar uma foto ao lado de Annan, ou por curiosos, surpresos pela presença do mediador. Um deles, um cidadão sírio que caminhava também pela rua, fez questão de dar sua mensagem a Annan. "Muita sorte na Síria", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.