1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente da Indonésia condena ataques e exige punição aos culpados

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 10h 04

Pelo menos quatro civis e três agressores morreram nos atentados, segundo a polícia local

JACARTA - O presidente da Indonésia, Joko Widodo, condenou nesta quinta-feira, 14, os ataques com explosivos e armas no centro de Jacarta, a capital do país, no qual morreram pelo menos sete pessoas, entre elas três agressores.

"Condenamos os ataques. Temos que perseguir e capturar esses homens e sua rede", declarou Widodo, segundo a imprensa local. A polícia detalhou que entre 10 e 14 homens armados participaram do ataque.

Ataques com bombas e armas deixam mortos na Indonésia
AFP PHOTO / ADEK BERRY
Ataques com bombas e armas deixam mortos na Indonésia

Polícia faz vistoria em complexo comercial após ataques em Jacarta

"Não devemos ter medo. Não podemos ser derrotados por atos terroristas", comentou o presidente, que está a caminho da capital, pois cumpria agenda na cidade de Majalengka, em Java Ocidental.

A primeira explosão aconteceu ao meio-dia (horário local), segundo a emissora DetikTv, que exibiu imagens divulgadas nas redes sociais onde é possível ver pelo menos o corpo de um oficial estirado na rua.

Após a explosão, teve início um intenso tiroteio que foi seguido por mais explosões. Segundo o jornal Kompas, os disparos atingiram várias pessoas, por isso o número de vítimas pode aumentar.

A Indonésia estava e permanece em alerta para possíveis ataques terroristas contra as autoridades locais e lugares frequentados por estrangeiros. O país tem a maior população muçulmana do mundo, 88% dos 250 milhões de habitantes, e já foi alvo de vários ataques de islamitas radicais.

O maior deles foi em 2002, na ilha turística de Bali, quando 202 pessoas morreram, em sua maioria turistas australianos. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX