1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Apoio ao Hamas aumenta após guerra em Gaza

Estadão Conteúdo

02 Setembro 2014 | 12h 41

A popularidade do Hamas entre palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza cresceu significativamente durante os 50 dias de guerra com Israel, de acordo com uma pesquisa de opinião publicada nessa terça-feira.

A sondagem elaborada pelo Centro Palestino de Pesquisa Política e Opinião indicou que 61% dos palestinos escolheriam o líder do grupo militante islâmico, Ismael Haniyeh, para presidente se as eleições presidenciais fossem hoje. Apenas 32% votariam no atual presidente Mahmoud Abbas, rival do Hamas.

O apoio a Haniyeh começou a subir em junho. Em pesquisa publicada pelo mesmo instituto, 41% dos palestinos preferiam o líder do Hamas na época, enquanto 53% apoiavam Abbas.

De acordo com a enquete publicada hoje, 79% dos palestinos acreditam que Hamas ganhou a guerra e 86% apoiam novos ataques de foguetes se o bloqueio a Gaza não for levantado, como o Hamas exigiu. Já 25% dizem que grupos armados na Faixa de Gaza deveriam desistir de suas armas depois que o bloqueio acabar e as eleições forem realizadas.

O levantamento também informa que 72% da população apoia a abordagem armamentista adotada pelo Hamas na Cisjordânia.Os dados foram coletados no último dia da guerra, 26 de agosto, e continuaram durante os primeiros quatro dias do cessar-fogo.

É a primeira vez em oito anos que uma maioria palestina apoia um líder do Hamas, mas a popularidade do grupo pode cair nos próximos meses, devido aos conflitos com Israel.

Também nesta terça-feira, o ministro das Finanças de Israel, Yar Lapid, criticou a expropriação de terras na Cisjordânia, anunciada nesta semana. Ele pediu uma abordagem mais razoável da parte da diplomacia israelense, após a operação militar israelense em Gaza.

A expropriação de cerca de 1.000 acres poderia ajudar a abrir caminho para a construção de um novo assentamento judaico. Lapid afirmou que a decisão cria "discussões redundantes com os Estados Unidos e com o resto do mundo" e criticou o momento em que foi feito o anúncio, logo após a guerra em Gaza. A ministra da Justiça israelense, Tzipi Livni, também criticou nesta semana a medida adotada por Israel. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo