Carlos Giusti/AP
Carlos Giusti/AP

Furacão Irma causa 10 mortes nas Ilhas do Caribe e se desloca para a Flórida

Ventos de 290 km/h derrubaram árvores e destruíram casas; Trump decretou emergência para o Estado

O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2017 | 01h24
Atualizado 07 Setembro 2017 | 19h04

SAN JUAN - O furacão Irma atravessou a República Dominicana em direção do Haiti nesta quinta-feira, 7, após devastar uma série de ilhas caribenhas e matar ao menos 10 pessoas, como uma das tempestades mais poderosas do Atlântico em um século. O furacão agora ruma para o Estado norte-americano da Flórida.

Com ventos de cerca de 290 quilômetros por hora, a tempestade assolou várias ilhas pequenas no nordeste do Caribe, incluindo Barbuda, St. Martin e as Ilhas Virgens Britânicas, arrancando árvores, derrubando casas e provocando danos generalizados.

O olho do furacão não atingiu diretamente Porto Rico, passando ao norte do território norte-americano no início desta quinta-feira, com ventos rápidos e chuvas pesadas que deixaram quase 70% da população sem eletricidade, disse o governador Ricardo Rossello.

O olho de Irma estava se movendo nesta quinta-feira para oeste-noroeste da costa norte da República Dominicana, indo um pouco ao norte do Haiti, disse o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês).

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) advertiu que milhões de crianças podem estar em risco nos dois países, que compartilham a ilha da Hispaniola. O empobrecido Haiti tem sido particularmente vulnerável a furacões e fortes chuvas.

O furacão Irma provavelmente atingirá a Flórida como uma tempestade de categoria 4 muito poderosa no domingo, com tempestades e inundações nas próximas 48 horas, de acordo com o NHC. A escassez de gás na área de Miami-Fort Lauderdale piorou na quinta-feira, com vendas até cinco vezes acima do normal.

Cuba começou a evacuar alguns dos 51 mil turistas que visitaram a ilha, particularmente 36 mil pessoas em resorts da pitoresca costa norte, a maioria canadenses.

Autoridades dominicanas ordenaram a retirada dos habitantes em cidades ao longo da costa do norte do Atlântico, já que a tempestade rumava para o porto e destino turístico de Porto Plata.

“Há muito vento e chuva”, disse o procurador-geral-assistente de Porto Plata, Juan Carlos Castro Hernandez. “Acreditamos que as coisas vão piorar”.

Ao menos 4 pessoas morreram na pequena ilha franco-holandesa de Saint Martin, que foi duramente atingida.

“É um desastre enorme. Noventa e cinco por cento da ilha está destruída. Estou chocado”, disse Daniel Gibbs, presidente de um conselho local de Saint Martin, à Rádio Caribe Internacional.

O governador da Flórida, Rick Scott, disse que não estava claro se o Irma atingiria a costa leste ou oeste do Estado, mas recomendou que os moradores fiquem atentos às ondas provocadas por ventos poderosos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está monitorando o progresso do Irma e aprovou a decretação de emergências no Estado, em Porto Rico e nas Ilhas Virgens Americanas, mobilizando recursos federais de assistência a desastres. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.