1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após dois anos, UE e Cuba fecham acordo que normaliza relações

- Atualizado: 11 Março 2016 | 17h 20

País era o único da América Latina sem um acordo de diálogo político com o bloco em virtude da questão dos direitos humanos

HAVANA  - O governo de Cuba e da União Europeia (UE) fecharam nesta sexta-feira um acordo para normalizar completamente suas relações, marcadas nos últimos anos por diferenças especialmente sobre o tema dos direitos humanos. O pacto foi selado, após dois anos de negociações, pelo vice-chanceler da UE Christian Leffler e o vice-ministro de Relações Exteriores de Cuba, Abelardo Moreno, em Havana.

 Cuba era o único país da América Latina sem um acordo de diálogo político com o bloco. A medida marca o fim da posição europeia de exigir avanços em termos de direitos humanos para cooperar com a ilha. 

Chanceleres da UE, Federica Mogherini, e de Cuba, Bruno Rodríguez, trocam cumprimentos em Havana 

Chanceleres da UE, Federica Mogherini, e de Cuba, Bruno Rodríguez, trocam cumprimentos em Havana 

Participaram da cerimônia os chefes de diplomacia da UE, Federica Mogherini, e de Cuba, Bruno Rodríguez.   "Este acordo inicia um novo capítulo na história das relações entre a União Europeia e Cuba", disse Federica pouco depois de o negociador do bloco, Christian Leffler, e o vice-chanceler cubano, Abelardo Moreno, firmarem o pacto.

Rodríguez disse que os dois lados se reunirão em breve para retomar um diálogo sobre direitos humanos que começaram em Bruxelas no ano passado.

O entendimento é mais um passo no rápido descongelamento das relações cubanas com o Ocidente desde sua reaproximação dos Estados Unidos em 2014 e da renegociação de débito com as nações abastadas do Clube de Paris em dezembro último.

Novos tempos em Cuba
REUTERS/Enrique de la Osa
Cubanos acessam sinal de internet em um dos 35 pontos de Havana que têm Wi-Fi; apesar de ter sido reduzido, preço é muito alto

Cubanos acessam sinal de internet em um dos 35 pontos de Havana que têm Wi-Fi; apesar de ter sido reduzido, preço é muito alto

Ele ainda ocorre a poucos dias de uma visita do presidente dos EUA, Barack Obama, a Havana no dia 20 de março, a primeira de um mandatário norte-americano desde a revolução cubana de 1959.    

Dias depois da visita, a banda de rock Rolling Stones irá tocar na ilha caribenha pela primeira vez. Nesta semana, o grupo de música eletrônica Major Lazer entreteve 400 mil jovens cubanos à beira-mar na capital cubana, o maior espetáculo de um artista dos EUA no país.     Apesar da reaproximação, Washington mantém o embargo econômico contra Cuba, o que torna mais difícil para empresas europeias com negócios nos EUA operarem na ilha./ AFP e REUTERS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX