Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

Após presidência, Obama incentiva jovens líderes a serem perseverantes

Ex-presidente está inaugurando um programa de bolsas de estudo para pessoas com idades entre 18 e 24 anos que queiram se envolver em atividades de liderança

O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 12h30

“Mostrem-se. Mergulhem. Sejam perseverantes.” Essa é a mensagem que o ex-presidente americano Barack Obama enviou aos seus apoiadores ao anunciar nesta quarta-feira, 13, diversos programas e encontros entre jovens líderes, que serão realizados em Chicago nos dias 31 de outubro e 1.º de novembro, segundo informações do site Politico.

Com a frase, Obama pretende incentivar os jovens a se tornarem mais engajados politicamente. “A democracia é um trabalho para todos nós. O que vocês farão sobre isso?”, escreveu ele em um e-mail. “Nunca estive tão certo que nos levantaremos para isso - juntos.”

O ex-presidente também está inaugurando um programa de bolsas de estudo por meio de sua fundação. O projeto é de dois anos de treinamento e desenvolvimento de pessoas - de 18 a 24 anos - que queiram se envolver em atividades de liderança.

“Nós lemos suas cartas, seus e-mails e suas inscrições no Obama.org. Sentei com jovens de Chicago a Berlim e Jacarta para ouvir diretamente de futuros líderes o que queremos cultivar”, disse Obama em um vídeo divulgado por sua fundação. “E o que me deixa mais esperançoso e otimista é que muitos de vocês apareceram, se envolveram e abraçaram o tipo de cidadania ativa que faz nossa democracia funcionar.”

Na nova fase de sua vida pós-presidência, Obama preferiu sair dos holofotes e não se envolver no universo político, descartando os convites por parte dos democratas para falar sobre o líder atual, Donald Trump, ainda segundo o Politico.

Em vez disso, Obama se reserva a fazer poucos pronunciamentos sobre questões importantes para o país, como o Obamacare, as proibições de viagens ao território americano e o fim da proteção aos chamados “Dreamers”, imigrantes que foram levados aos EUA quando crianças.

+ Para entender: Daca, o programa migratório de Obama que foi suspenso por Trump

O CEO da fundação do democrata, David Simas, explicou que esta é a primeira fase do projeto. “De líderes que já têm impacto para pessoas que estão interessadas em se envolver mais, mas não sabem por onde começar, nosso objetivo é tornar nossos programas acessíveis para qualquer um, em qualquer lugar, com qualquer conhecimento ou nível de experiência”, afirmou em um comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.