AFP PHOTO / AHMAD AL-RUBAYE
AFP PHOTO / AHMAD AL-RUBAYE

Após quase perder a perna, jovem relata riscos de fugir do EI e de combatentes em Mossul

Ali Denun quase teve o membro amputado após o lançamento de um morteira; na primeira clínica em que foi atendido, não havia analgésicos ou anestesia

O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2017 | 10h48

ERBIL, IRAQUE - Embora um morteiro tenha rasgado metade de sua perna quando tentava fugir de Mossul, o jovem Ali Denun não hesita em recomendar aos moradores que seguem presos no oeste da cidade iraquiana que fujam do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) e dos combates.

"Acredito que agora não podem sair, mas se tiverem a oportunidade, meu conselho é: fujam, mesmo se for perigoso. Mas não é preciso que lhes diga nada, todo mundo quer escapar", afirmou o jovem de 19 anos, deitado em um fino colchonete no solo da modesta casa onde vive com sua família nos arredores de Erbil, cidade a 90 quilômetros de Mossul.

O morteiro despedaçou vários músculos da perna direita, que esteve a ponto de ser amputada, e, embora tenha passado 12 vezes pela sala de cirurgia, ainda tem esperança de voltar andar.

Ali lamenta que o projétil tenha acabado com suas aspirações de jogar futebol e de se tornar professor de educação física. "A primeira coisa que pensei foi no futebol, em meus sonhos", lembrou o jovem, que assegura que era um dos melhores estudantes de sua classe e também um dos que melhor jogava futebol.

Há dois anos e meio recebeu uma proposta de contrato de um clube profissional da cidade, mas essa perspectiva foi anulada quando os jihadistas conquistaram Mossul em julho de 2014. "Foi terrível. Eu era um dos melhores na escola. Era um dos melhores jogadores de futebol e agora deveria estar na faculdade. Destruíram minha vida", lamentou.

Ali foi ferido no dia 17 de novembro quando tentava fugir para áreas que acabavam de ser libertadas de Mossul, depois que os combates chegaram a seu bairro, Tahrir, e uma bomba caiu sobre sua casa, destruindo a porta principal.

Cinco famílias, cerca de 40 pessoas no total, fugiram deixando os combatentes do EI e foram ao encontro dos militares. Logo após passar pela revista do Exército iraquiano, o projétil caiu sobre eles, aos pés de Ali.

O jovem recordou de forma nítida que na primeira clínica que lhe atenderam não havia analgésicos ou anestesia e um médico queria lhe amputar a perna. "Disseram que havia produtos químicos no morteiro que faziam com que os músculos morressem. Vi alguns músculos ficarem totalmente pretos e caírem", disse, enquanto mostrava fotos de seus ferimentos na tela do telefone celular.

Outro médico lhe deu esperanças de salvar a perna que, segundo o jovem, agora está muito melhor, embora sua família tenha gastado muito dinheiro com médicos particulares. Além disso, Ali ainda terá que passar por salas de cirurgia mais quatro ou cinco vezes antes de voltar a colocar o pé no chão.

O jovem espera que em breve possa retornar às aulas e recuperar os dois anos perdidos sob o domínio dos terroristas, tempo no qual as escolas normais fecharam e o EI abriu seus próprios centros, nos quais ensinavam aos alunos a atirar.

Aconselhado por seu irmão, que é professor, Ali deixou o colégio dos terroristas no primeiro dia e, durante os últimos dois anos, se dedicou a trabalhar em uma barbearia pelas manhãs e a jogar futebol com seus amigos durante as tardes.

"Sou muito ativo. Quando puder, quero terminar o ensino médio e ir à universidade, mesmo que não seja na área de esportes. Meus amigos dizem que, embora não jogue futebol, ainda posso ser treinador", acrescentou.

Casos como o de Ali foram muito frequentes na ofensiva de Mossul. O EI declarou "traidores" os civis que não seguiram os jihadistas e, em represália, lança morteiros e bombas de drones contra os bairros residenciais do leste da cidade, que deixam dezenas de feridos todos os dias.

A ONU advertiu que os cerca de 750 mil civis que vivem no oeste de Mossul estão sob risco extremo, já que ficam expostos aos bombardeios e fogem diante da possibilidade de serem executados pelos jihadistas. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Iraque Guerra Bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.