Argentina elege 41 senadores justicialistas e 22 radicais

A partir de 10 de dezembro, o Senado argentino será formado por 41 senadores justicialistas (PJ-Partido Justicialista, de oposição), 22 radicais (UCR-União Cívica Radical, Aliança de governo), e seis representantes de pequenos partidos. Três vagas, uma da província de Tucumán e duas de Catamarca nunca foram cobertas. O quórum mínimo exigido no Senado é de 37 senadores, número superado pelos eleitos da oposição. Os mandatos são de seis anos mas a cada dois anos haverá renovação de um terço dos senadores. Haverá um sorteio para designar as províncias cujos senadores, neste sistema, terão mandatos de dois, quatro e seis anos.

Agencia Estado,

15 Outubro 2001 | 11h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.