Victor R. Caivano/AP Photo
Victor R. Caivano/AP Photo

Argentina oferece recompensa milionária para quem encontrar submarino desaparecido

Ministro de Defesa diz que valor será oficializado nos próximos dias, mas deve se aproximar de US$ 4 milhões; parentes dos tripulantes foram recebidos pelo presidente Mauricio Macri e exigiram que empresas privadas possam ajudar nas buscas

O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2018 | 03h14
Atualizado 07 Fevereiro 2018 | 17h50

BUENOS AIRES - Quase três meses após o desaparecimento do submarino ARA San Juan nas profundezas do Atlântico Sul, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, ofereceu uma recompensa “milionária” para quem encontrar a embarcação perdida. Segundo o ministro de Defesa do país, Oscar Aguad, o valor do prêmio rondará os US$ 4 milhões.

+ Tripulantes do ARA San Juan tiveram morte instantânea, indica relatório dos EUA

Macri anunciou a recompensa na terça-feira, 6, depois de se encontrar com um grupo de parentes dos 44 tripulantes do submarino – com o objetivo de conter as críticas das famílias às operações de busca e negar que a tripulação do ARA San Juan tenha sido abandonada.

“Pedimos a ele que a área de buscas seja ampliada e empresas privadas sejam incluídas (nas operações)”, afirmou Itaí Leguizamón, mulher do tripulante Germán Oscar Suárez.

A embarcação desapareceu em 15 de novembro, quando realizava o percurso entre Ushuaia, no extremo sul da Argentina, e sua base em Mar del Plata. No último contato ocorreu a cerca de 400 quilômetros da costa do país, a tripulação relatou avarias causadas por uma entrada de água pelo sistema de ventilação, que “provocou um curto-circuito e um princípio de incêndio” nas baterias. Horas depois, uma explosão foi detectada pela Marinha.

As autoridades argentinas descartaram a possibilidade de sobrevivência da tripulação vinte dias após o desaparecimento do Ara San Juan, afirmaram que o submarino não sofreu nenhum tipo de ataque e negaram que a embarcação estivesse em uma operação de espionagem quando desapareceu.

+ Submarino argentino teria explodido em menos de um segundo, diz relatório dos EUA

As operações de buscas chegaram a envolver 18 países, mas, atualmente, a Rússia é o único país estrangeiro que participa, com submergíveis compactos e um navio oceanográfico. A Marinha e especialistas atribuem o fracasso das buscas a uma escarpa submarina, semelhante a uma cordilheira invertida, com precipícios que recortam de lado a lado a área de rastreamento. Em razão dessas características do leito marinho, a detecção de objetos é dificultada.

A Justiça argentina abriu duas investigações sobre o caso: uma para determinar o causa do desaparecimento do ARA San Juan e outra para a apuração de uma suspeita de irregularidades em consertos da embarcação entre 2008 e 2014. O submarino, a diesel e de fabricação alemã, estava em operação desde a década de 80. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.