Mark Cristino/EFE
Mark Cristino/EFE

Asean se reúne em Manila para melhorar integração econômica

Países da Associação de Nações do Sudeste Asiático somam 625 milhões de habitantes e aspiram ser a quarta maior potência do mundo nos próximos 15 anos

O Estado de S.Paulo

29 Abril 2017 | 02h53

MANILA - A Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) inicia neste sábado, 29, em Manila, uma reunião de chefes de Estado e de Governo dedicada à integração econômica, às disputas territoriais e à luta contra o narcotráfico.

"Temos a esperança de emergir política e economicamente mais fortes", disse o presidente filipino, Rodrigo Duterte, no discurso inaugural.

Filipinas ocupa este ano a presidência rotatória da organização, da qual também são parte Myanmar, Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã. 

A reunião é a primeira das duas organizadas anualmente pela organização, que completa 50 anos em 2017.

Duterte convidou o restante dos dirigentes a "avançar na cooperação regional permanecendo honestos, firmes e resolutos em nossos processo de integração, inovação, inclusão e conectividade". Defendeu, ainda, a necessidade de integrar mais a região com a economia global em um momento em que os países membros exploram novas possibilidades econômicas e comerciais.

Tratado. Espera-se que os líderes do bloco abordem as possibilidades de redigir um amplo tratado de livre comércio que inclua países como China, Japão e Índia, depois da retirada dos Estados Unidos do Acordo Transpacífico de Cooperação Econômica (TPP).

A ASEAN aspira aumentar o PIB conjunto da região a US$ 4,7 bilhões em 2020 e tornar-se a quarta potência do mundo em 15 anos.

Disputas territoriais no Mar do Sul da China que Brunei, Filipinas, Taiwan, Malásia e Vietnã têm com Pequim devem ser abordadas. O presidente filipino, que iniciou em julho de 2016 uma polêmica campanha antidrogas que já deixou sete mil mortos, também instigou líderes do Sudeste Asiático a cooperar na luta contra o narcotráfico. Ele assegurou que "com vontade e cooperação política o aparato das drogas pode ser desmantelado e destruído antes que destrua as sociedades". 

Cerca de duas mil pessoas participam do evento em Manila. A próxima reunião ocorrerá em novembro, também nas Filipinas, e terá a presença dos presidentes de China, Coreia do Sul e Estados Unidos, além dos primeiros ministros de Austrália, Índia e Japão. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.