EFE/Alejandro Ernesto
EFE/Alejandro Ernesto

Assembleia cubana aprova lei que proíbe dar nome de Fidel a locais públicos

Fidel sempre disse que não queria um culto a sua personalidade, embora os críticos digam que o culto está em todos os lugares

O Estado de S. Paulo

27 Dezembro 2016 | 22h04

HAVANA - A Assembleia Nacional de Cuba aprovou uma lei nesta terça-feira, 27, que proíbe construir estátuas comemorativas de Fidel Castro ou dar o seu nome a locais públicos, seguindo os desejos do líder revolucionário que morreu no mês passado.

Fidel sempre disse que não queria um culto a sua personalidade, embora os críticos digam que o culto está em todos os lugares. As suas palavras estão em painéis pelo país, e o seu nome é citado em cada evento público.

Desde a sua morte, uma grande foto do jovem Fidel vestido em trajes militares, com um rifle e uma bolsa nas costas, está pendurada num edifício na Praça da Revolução em Havana.

"Nossa principal homenagem não vai ser dar o nome dele a tudo que ele construiu, mas manter o seu trabalho vivo e continuar a nossa sociedade socialista”, disse a parlamentar Jennifer Bello Martínez, presidente da Federação dos Estudantes Universitários, segundo o meio oficial Juventud Rebelde.

O presidente Raúl Castro já havia anunciado que o seu irmão mais velho não queria ser imortalizado em estátuas ou em lugares públicos com o seu nome.

A lei não proíbe artistas de usar a figura de Fidel Castro em música, literatura, dança e cinema. Fotos dele em escritórios, locais de estudo e instituições públicas também podem ser mantidas. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Cuba Fidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.