Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Assembleia Nacional declara 'crise humana de saúde' na Venezuela

Internacional

AP

Assembleia Nacional declara 'crise humana de saúde' na Venezuela

Parlamento, de maioria opositora, determinou diversas medidas em razão da falta de remédios e equipamentos médicos no país 

0

O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2016 | 09h25

CARACAS - A Assembleia Nacional da Venezuela declarou na terça-feira 26 "uma crise humana de saúde" no país, causada pela escassez de remédios, equipamentos médicos e pela deterioração das instituições públicas de sáude.

Com o voto da maioria opositora, a Assembleia declarou a crise "em vista da grave escassez de remédios, insumos (materiais) médicos e deterioração da infraestrutura humanitária", segundo um acordo aprovado durante uma sessão ordinária da AN.

Por meio do texto aprovado, o Parlamento fechou um acordo para "exigir do governo nacional garantia de maneira imediata ao acesso à lista de remédios essenciais que são básicos, indispensáveis e imprescindíveis e devem ser acessíveis o tempo todo". Além disso, exigiu "o restabelecimento da publicação do boletim epidemiológico".

O acordo faz um precatório ao Executivo para que "permita o envio de remédios de particulares de outros países para a Venezuela e dentro do território nacional", uma possibilidade que havia sido proibida pelas autoridades.

A Assembleia solicitou também uma série de reuniões "de caráter público" no âmbito do Parlamento para "avaliar" os planos a curto e médio prazo com os quais lidarão com o sistema de saúde.

Depoimentos. A proposta foi submetida à votação depois que foram apresentados no plenário dois testemunhos de pessoas cujos familiares morreram por problemas de saúde que se agravaram, segundo explicaram, depois de não conseguir um remédio ou uma equipe médica para seu atendimento.

"Deixem de lado os partidos políticos, porque meu filho de três anos nunca escolheu ninguém, não teve a oportunidade por falta de um remédio", disse Richard Medina, pai de um menino com câncer de pulmão que morreu em dezembro depois de uma complicação de saúde agravada pela escassez de um remédio.

A bancada governista da AN, formada por 54 deputados, não votou o acordo, defendendo as políticas públicas do governo venezuelano em matéria de saúde. Além disso, repudiou a decisão dos opositores de expor o testemunho dos parentes supostamente afetados pela situação do sistema de saúde.

"Esse é um tema tão sério que não pode ser transformado em um 'show', lamentamos profundamente, com a máxima dor humana, as pessoas que morreram por doenças ou situações difíceis que tiveram que enfrentar, mas não se deve expô-las publicamente", disse o chavista Ricardo Molina. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.