Assessor de Bush admite erro em acusação ao Iraque

O vice-conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Stephen Hadley, assumiu a culpa pela falsa acusação de que o Iraque tentou comprar urânio na África para o programa nuclear de Saddam Hussein. A menção da suposta tentativa foi feita pelo presidente americano, George W. Bush, durante o discurso sobre o Estado da União em janeiro, para justificar a necessidade de lançar um ataque preventivo contra o Iraque. Hadley admitiu que tinha sido advertido pela CIA de que a informação sobre o caso não tinha sido confirmada, mas, mesmo assim, não suprimiu a referência do discurso de Bush. "Está claro agora que eu errei nisso", disse Hadley a repórteres. De acordo com Hadley, uma mensagem não assinada da CIA foi enviada a ele e ao responsável pelos discursos de Bush no dia 5 de outubro. A mensagem dizia que a CIA tinha reservas em relação ao relatório britânico sobre a suposta intenção do Iraque em comprar urânio de Niger. As reservas foram confirmadas no dia seguinte, em um segundo memorando. O diretor da CIA, George Tenet, teria ligado para Hadley no mesmo dia para reiterar as ressalvas.

Agencia Estado,

22 Julho 2003 | 19h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.