1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Ataque à Maratona de Boston mata 3; alerta contra terror é acionado

estadão.com.br

15 Abril 2013 | 16h 15

Mais de 130 pessoas ficaram feridas; duas bombas explodiram na linha de chegada da corrida

(Texto atualizado às 22h40) BOSTON, EUA - Um atentado com ao menos duas bombas caseiras matou três pessoas e feriu outras 134 – seis delas em estado grave – nesta segunda-feira, 15, durante a Maratona de Boston, uma das mais tradicionais do mundo. A autoria das explosões, que espalharam pânico pela cidade, ainda não foi identificada e ninguém foi preso. A polícia desarmou outros dois explosivos caseiros e investiga um incêndio na biblioteca JFK. 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ordenou investigar o episódio e disse que é cedo para inferir quem são os responsáveis pelo ataque, mas prometeu encontrá-los e levá-los à Justiça. "Ainda não sabemos quem fez isso e as pessoas não devem tomar conclusões precipitadas. Encontraremos os responsáveis", disse Obama. "Iremos até o final. Descobriremos quem fez isso e o porquê. Faremos os responsáveis pagar por isso."

As bombas foram detonadas a poucos metros da linha de chegada da Maratona de Boston, pouco antes das 16h (horário de Brasília), cerca de três horas depois de os vencedores da corrida terem terminado o percurso. Segundo a polícia local, os dois explosivos foram colocados na rua Boylston e detonados com um intervalo de 15 segundos entre eles. 

Segundo a polícia, outros dois dispositivos foram encontrados e desarmados por meio de explosões controladas. O comissário da polícia de Boston Ed Davis, disse que "artefatos poderosos" causaram as duas explosões.

Um incêndio na biblioteca JFK, que reúne o acervo do presidente John Kennedy, ocorrido uma hora depois das explosões, é investigado, mas, segundo o comissário, não deve ter ligação com o ataque. Na instituição, ninguém se feriu. 

O hotel que funcionava como sede da maratona foi fechado após as explosões serem ouvidas e ninguém pode entrar ou sair do local. A Agência de Aviação Civil dos EUA (FAA, na sigla em inglês) fechou o espaço aéreo sobre parte de Boston e os sinais de telefones celulares foram bloqueados para evitar uma detonação por controle remoto. 

A zona de exclusão aérea tinha um raio de 5,6 km em torno da rua Boylston e uma altura de 914 metros – bem abaixo da altitude de um avião comercial normal. As operações do Aeroporto de Boston não foram afetadas. A secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano prometeu oferecer “toda assistência necessária” à cidade. 

Pânico

Cerca de 27 mil corredores, profissionais e amadores, participaram da corrida. O canadense Mike Mitchell, um dos participantes da maratona, disse ter visto uma “grande explosão”. “Todo mundo entrou em pânico”, disse. Espectadores ensanguentados foram levados para tendas de atendimento médico próximas montadas para atender os corredores fatigados pela maratona. Havia pessoas mutiladas, com fraturas expostas e perdendo muito sangue após as explosões. 

O corredor Roupen Bastajian foi um dos primeiros corredores a chegar ao local da explosão. “Vi todas aquelas pessoas no chão. Tentamos fazer torniquetes para impedir os sangramentos. Muitas pessoas foram amputadas”, contou ele à Associated Press. “Cerca de 25 ou 30 pessoas tinham perdido a perna, ou sido amputadas do tornozelo para baixo.”

A Maratona de Boston é realizada anualmente desde 1897 e reúne cerca de 500 mil espectadores todos os anos. Segundo a organização, não houve nenhuma ameaça. O ataque ocorreu no feriado do Dia do Patriota, nos Estados Unidos. / AP, REUTERS e NYT

 

 

 

 

Assista ao vídeo da CNN que mostra os momentos seguintes à explosão: