Efe
Efe

Ataque em shopping deixa ao menos 59 mortos, afirma governo queniano

Homens armados atacaram o shopping Westgate em Nairóbi; ofensiva deixou cerca de 175 feridos; movimento militante somali Al-Shabaab reivindicou o atentado

Efe e Reuters,

22 Setembro 2013 | 08h33

Pelo menos 59 pessoas morreram e 175 ficaram feridas no ataque a um shopping de luxo em Nairóbi, no Quênia, onde fundamentalistas islâmicos ainda permanecem com reféns, segundo os últimos números divulgados nesta domingo, 22, pelo ministro de Interior queniano, Joseph Ole Lenku.

 

Além disso, destacou que os autores do ataque foram "entre dez e 15" pessoas.

 

Lenku assegurou que as autoridades quenianas têm o controle do circuito de segurança do edifício e que sabem onde os agressores estão, mas optou por não revelá-lo "por motivos de segurança".

O governo queniano e as agências de emergência estão sendo extremamente cautelosos na hora de revelar informação sobre o fato, sob pretexto de que poderia dar pistas aos radicais islâmicos somalis da Al Shabab, autores do ataque.

 

Ao longo da manhã deste domingo, o Exército queniano reforçou sua presença em torno do centro comercial atacado, o Westgate Mall, um dos mais luxuosos e frequentado de maneira habitual por estrangeiros e classe alta queniana.

 

O ataque. Homens armados atacaram no sábado, 21, o shopping Westgate em Nairóbi, capital do Quênia, de acordo com o presidente Uhuru Kenyatta. A ofensiva deixou ainda feridos, muitos em estado grave. O movimento militante somali Al-Shabaab, que já tinha ameaçado atacar o shopping de luxo, popular entre a comunidade expatriada da Somália, reivindicou o atentado.

 

O tiroteio causou pânico e uma correria dentro e fora do shopping, com uma multidão tentando se esconder em lojas e cinemas e buscando as ruas.

 

Helicópteros da polícia sobrevoavam o local, enquanto policiais faziam buscas entre a multidão em fuga. De uma das entradas do estabelecimento saía fumaça, e testemunhas disseram ter ouvido explosões de granadas. Outras testemunhas afirmaram ter visto cinco homens armados atacarem o shopping Westgate. Elas acrescentaram que o incidente aparentava ser um ataque, não um assalto.

 

Alguns tiros puderam ser ouvidos duas horas após o início do tiroteio, depois que a polícia invadiu o prédio em busca dos agressores, loja por loja. Algumas emissoras de televisão locais informaram a presença de reféns, mas não houve confirmação oficial dessa informação. Um sobrevivente disse ter sido atingido por um homem que parecia somali.

 

Alguns clientes subiram as escadas e se esconderam no complexo de cinema do shopping. Pelo menos duas dúzias de feridos foram retirados do local em macas e carrinhos de compras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.