Muhammad Sajjad/AP
Muhammad Sajjad/AP

Ataque em universidade no Paquistão deixa 14 mortos e 25 feridos

Taleban reivindicou o atentado que ocorreu em Peshawar, no noroeste do país; homens armados entraram no local vestindo burkas

O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 06h28
Atualizado 01 Dezembro 2017 | 09h15

ISLAMABAD - Homens armados e vestidos com burkas invadiram o campus de uma universidade no Paquistão nesta sexta-feira, 1º, e deixaram pelo menos 14 mortos e 25 feridos, informou a polícia. 

+ Choque entre policiais e manifestantes no Paquistão deixa ao menos 200 feridos

Os atacantes, armados com fuzis e granadas, trocaram tiros com as forças de segurança da Direção do Instituto de Agricultura de Peshawar, disse Tahir Khan, chefe de polícia da cidade. "Os comandos da polícia e do exército cercaram o campus", disse Khan. "Uma explosão também foi ouvida no local", informaram as autoridades. 

+ Explosões matam 34 na cidade de Peshawar

O ataque foi reivindicado pelo Taleban, que argumentou que a ação é uma reação às contínuas brutalidades contra o grupo. Segundo a polícia, entre os mortos estavam cinco terroristas, oito estudantes e um segurança da universidade. O Exército informou que a situação foi controlada e que os danos só não foram maiores porque muitos estudantes estavam viajando por conta de um feriado. 

Peshawar fica na fronteira com o Afeganistão e é alvo frequente de ataques. Em 2014, um ataque a uma escola deixou 141 mortos. 

Cenário. O número de mortes por terrorismo no mundo caiu em 2016 pelo segundo ano consecutivo, em parte graças a uma redução de 33% das vítimas mortais na Síria, no Paquistão, no Afeganistão e na Nigéria, segundo um relatório divulgado em novembro pelo Instituto para Economia e Paz (IEP). 

Em 2016 foram registradas 25.673 mortes por atentados terroristas no mundo, 21% a menos que as 32.685 de 2014 - quando se alcançou o nível máximo nos números após quatro anos de aumentos - e 13% a menos em relação a 2015. / AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Paquistão [Ásia] Taleban terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.