EFE/ Yahya Arhab
EFE/ Yahya Arhab

Ataque saudita mata ao menos 30 rebeldes xiitas no Iêmen

Bombardeios tinham como alvo um campo administrado pela polícia militar, vinculada aos houthi

O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 15h53

SANAA - Ao menos 30 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em bombardeios aéreos contra uma campo de prisioneiros dos rebeldes houthi em Sanaa, capital do Iêmen, anunciou o canal de televisão Al-Massira, controlado pelos rebeldes nesta quarta-feira, 13.

+Filho de ex-ditador do Iêmen promete se vingar de houthis que assassinaram seu pai

Os bombardeios foram executados por aviões da coalizão árabe internacional, liderada pela Arábia Saudita, indicou a emissora. As vítimas eram prisioneiros. Os ataques tinham como alvo um campo administrado pela polícia militar, vinculada aos rebeldes.

O ataque provocou danos em edifícios do campo e em vários veículos.  Segundo o oficial Mohamed al-Aqel, os bombardeios começaram às 1H00 de quarta-feira.  De acordo com ele, o primeiro ataque aéreo atingiu uma parte do campo no qual estavam alojados os prisioneiros. Vários tentaram fugir e foram atingidos pelo segundo bombardeio. 

 Morte de ex-ditador do Iêmen deixa Irã e Arábia Saudita perto de conflito

A terceira ofensiva destruiu um muro do campo e dois edifícios.  Combatentes rebeldes retiraram nesta quarta-feira diversos corpos dos escombros. O balanço de vítimas pode aumentar. 

No domingo, pelo menos 26 rebeldes xiitas houthis morreram em bombardeios atribuídos à coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita contra um campo de treinamento na província de Hajjah, no noroeste do país. 

+Thomas Friedman: Obsessão com Irã está enlouquecendo os EUA

A coalizão iniciou sua intervenção no conflito iemenita em março de 2015 para deter o avanço dos huthis, que haviam conquistado amplas faixas de território, incluindo a capital Sanaa, que permanece sob poder dos insurgentes.  Desde março de 2015, a guerra no Iêmen deixou mais de 8.750 mortos e 50 mil feridos, em suia maioria civis. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.