Ataques não destruíram sistema de defesa, diz Taleban

O embaixador do Taleban no Paquistão, Abdul Salam Zaeef, negou hoje que seu sistema de defesa antiaérea tenha sido destruído durante os bombardeios da coalizão anglo-americana dos últimos quatro dias. Ontem, os EUA afirmaram que tinham destruído mais de 80% dos alvos e que poderiam realizar ataques 24 horas por dia, já que não os sistemas de defesa não existiam mais. Zaeef disse que a Aliança do Norte, que se opõe ao regime Taleban e controla cerca de 10% do Afeganistão, não fez nenhum avanço depois dos bombardeios americanos. O embaixador afegão afirmou que a Aliança do Norte não tem o apoio dos 21 milhões de afegãos. Ele ainda convocou os afegãos que moram nos EUA a declarar guerra contra o país em que vivem em apoio ao Islã. Quando perguntado sobre a possibilidade de novos atentados terroristas serem realizados contra os EUA, Zaeef disse que os ataques não são bons para os americanos e será preciso esperar para ver as conseqüências. No entanto, ele não negou abertamente a possibilidade de novos ataques terroristas. Zaeef voltou a dizer que "o Afeganistão não está envolvido" nos atentados terroristas contra as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, e contra o Pentágono, em Washington. Ele reiterou que o saudita Osama bin Laden, acusado de ser o mentor dos ataques de 11 de setembro, e o líder do Taleban, o mulá Mohammed Omar, sobreviveram aos ataques e estão bem. De acordo com o embaixador o Taleban não aprova atos terrorista e até julgaria o terrorista terrorista Osama bin Laden, suspeito de ser o mentor dos ataques do dia 11 de setembro, caso os EUA apresentassem provas. Como os americanos não apresentaram provas e decidiram unilateralmente bombardear o Afeganistão, o Taleban determinou então convocar a jihad (guerra santa) contra os EUA. Leia o especial

Agencia Estado,

10 Outubro 2001 | 06h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.