Victor J. Blue/The New York Times
Victor J. Blue/The New York Times

Atentados a hospitais do MSF na Síria aumentam e deixam 35 mortos

Segundo organização, ataques aéreos têm apresentado um ‘aumento significativo e recente’; seis hospitais tiveram que fechar e quatro ambulâncias foram destruídas

O Estado de S. Paulo

29 Outubro 2015 | 11h26

GENEBRA - Um "aumento significativo e recente" dos ataques aéreos contra hospitais na Síria deixou 35 mortos, entre pacientes e equipe médica, e 72 feridos, informou nesta quinta-feira, 29, a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Os ataques de forças aéreas que a organização não identificou e que se incrementaram desde o final de setembro atingiram 12 hospitais nas províncias sírias de Idleb, Aleppo e Hama, dos quais seis contam com a assistência da MSF, destacou a instituição.

"No total, seis hospitais tiveram que fechar e quatro ambulâncias foram destruídas", revelou a organização internacional. "Apenas um foi reaberto e o acesso aos serviços de emergência, maternidade, pediatria e atenção básica permanecem muito prejudicados nestas áreas".

Segundo o comunicado, "dezenas de milhares de pessoas tiveram que fugir de seus lares" em razão dos ataques aéreos. "Após quatro anos de guerra, sigo atônito ao ver como o direito internacional humanitário pode ser tão facilmente violado por todas as partes neste conflito", afirmou Sylvain Groulx, chefe da MSF para a Síria. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.