Atentados em série na Índia matam 44 pessoas

Subiu para 44 o número de mortes confirmadas numa série e atentados no noroeste da Índia neste sábado. Nove ataques com bombas e tiros foram registrados nos Estados de Nagaland e Assam até por volta das 12h00 de Brasília. Na região existem cerca de 30 grupos étnicos separatistas, mas ninguém havia reivindicado a autoria dos ataques. Duas bombas potentes explodiram em Dimapur, um movimentado centro comercial de Nagaland, matando 26 pessoas e ferindo cerca de 100. Inicialmente as autoridades informaram que três bombas haviam sido detonadas, mas a apuração posterior revelou apenas dois locais atingidos: a estação de trem e o popular mercado Hong Kong. Também o número de mortos foi corrigido de 27 para 26. O ministro-chefe Neiphiu Rio, que ocupa o principal cargo eletivo no governo local, visitou os dois locais e informou que as duas explosões ocorreram em seguida, primeiro na estação de trem e depois no mercado, no horário em que os comerciantes abriam suas lojas. No vizinho Estado de Assam, horas depois, sete outros ataques provocaram a morte de 18 pessoas. O pior deles ocorreu na pequena cidade de Makri Jhoda, onde um grupo de homens atirou contra a multidão num mercado, matando 15 pessoas e ferindo diversas outras. A 20 km dali, na capital de Assam, Gauhati, houve duas explosões simultâneas. Na primeira, no bairro central de Bongaigaon, duas pessoas morreram, e na Segunda um hotel foi atingido mas ninguém se feriu. As autoridades informaram inicialmente que apenas uma pessoa havia morrido numa única explosão no Estado. Mais tarde, outras duas explosões aconteceram nos bairros de Baihata Charali e Abhayapuri, mas também não houve mortos ou feridos. "Não podemos ainda dizer quem são os responsáveis pelos atentados, ainda é muito cedo", disse o chefe do Executivo de Nagaland. A suspeita recai, entretanto, sobre a Frente Nacional Democrática Boroland, um grupo tribal separatista muito ativo na região, que no domingo comemora 18 anos. Estes foram os primeiros ataques desde que o governo da Índia fechou uma trégua com o Conselho Nacional Socialista de Nagaland em 1997. Nestes dias o país comemora o 135.º aniversário de nascimento de Mahatma Gandhi, líder que conduziu a Índia à independência da Grã-Bretanha 1947. Há pelo menos 30 grupos separatistas na região. Desde a independência da Índia, pelo menos 50 mil pessoas morreram em confrontos entre forças do governo central e milícias locais.

Agencia Estado,

02 Outubro 2004 | 12h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.