Jim Schultz/The Record Searchlight via AP
Jim Schultz/The Record Searchlight via AP

Atirador mata 4 e fere alunos nos Estados Unidos

Homem armado com fuzil semiautomático disparou contra casas e uma escola depois de uma briga doméstica; ele foi morto pela polícia

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 17h00

Um homem armado com um fuzil semiautomático disparou mais de 100 tiros contra uma escola primária nesta terça-feira, depois de uma briga doméstica em Rancho Tehana, norte da Califórnia, Estados Unidos. Cinco pessoas morreram, incluindo o atirador, e outras sete ficaram feridas. Ao menos três crianças estavam internadas.

+ Maior parte dos EUA vai contra pressão por lei mais dura sobre controle de armas

O ataque começou por volta das 8 horas na Califórnia (14 horas no Brasil), quando a polícia recebeu o telefonema de ao menos dez pessoas comunicando terem ouvido tiros perto da escola infantil de Rancho Tehama, uma comunidade de cerca de 1500 habitantes que fica a 170 quilômetros de Sacramento, uma das principais cidades do Estado da Califórnia.

Mais de 100 viaturas de vários condados próximos foram ao local. “Quando chegamos, pudemos perceber que havia um homem atirando para todos os lados, em busca de vítimas aleatórias”, afirmou aos jornalistas Phil Johnston, o xerife assistente no Condado de Tehama.

[---#{"ESTADAO-CONTEUDO-INFOGRAFICO":[{"ID":"gzapd2","PROVIDER":"UVA"}]}#---]

A polícia não deu detalhes do ataque nem revelou o nome do atirador. Johnston disse que os vizinhos informaram à polícia que o ataque começou depois de uma virulenta briga doméstica. O atirador teria pego seu fuzil semiautomático e duas pistolas e começado a atirar contra as pessoas.

Ele saiu caminhando pela avenida principal de Rancho Tehama, disparando contra casas e contra a escola. Foram pelo menos sete locais diferentes. Duas crianças foram atingidas e feridas na escola. Outra criança foi baleada em um caminhão que estava na estrada paralela à avenida. A escola foi esvaziada pela polícia, e alguns alunos foram resgatados de helicóptero, incluindo as duas crianças feridas.

Segundo o jornal local Record Searchlight, três crianças ficaram feridas no incidente. Em entrevista, o xerife do condado de Tehama disse que o tiroteio começou em uma casa e seguiu para a escola.

Pai de um aluno do colégio, Coy Ferreira deixava sua filha na escola quando ouviu os tiros. “Um dos professores veio correndo em minha direção e disse para nós entrarmos rapidamente, pois um atirador estava a caminho”, disse ele à televisão local, KRCR. “Saímos correndo e entramos na escola. Ouvimos disparos por mais de 20 minutos”, acrescentou.

+ Lobby da bala nos Estados Unidos quer menor controle sobre as armas

Uma das pessoas que ligaram para a polícia foi Brian Flint, vizinho do atirador. Ele disse à emissora local de televisão KCRA, de Sacramento, que de repente o vizinho, a quem chamou de Kevin, começou a gritar dentro de casa e se comportar de maneira agressiva. De repente ele saiu armado, ameaçou Brian e a sua família e roubou sua caminhonete. “Ele disparou uma centena de tiros, para todos os lados”, afirmou Brian.

Depois de uma troca de tiros, o atirador foi morto por policiais. Além dos quatro mortos pelo atirador, sete pessoas ficaram feridas, incluindo três crianças. Todos estavam internados no Enloe Medical Center, o hospital que fica a 70 quilômetros de Rancho Tehama.

O governador da Califórnia, Jerry Brown, afirmou que ele e sua mulher ficaram “entristecidos ao ouvir sobre a violência em Tehama, que de maneira estarrecedora envolveu uma escola”. “Oferecemos condolências a todas as vítimas e famílias”, declarou.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, postou em seu perfil no Twitter uma mensagem sobre o incidente. “Triste por ouvir sobre o ataque a tiros na Califórnia, a perda de vidas e ferimentos, incluindo de crianças inocentes. Louvamos os esforços dos corajosos homens da lei. Vamos continuar monitorando a situação e oferecer apoio federal às vítimas e aos investigadores”, escreveu Pence./ REUTERS, AP e EFE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.