AFP PHOTO / Robyn Beck
AFP PHOTO / Robyn Beck

Atirador de Las Vegas armazenou armas por décadas e planejou ataque, dizem autoridades

Investigadores tentam determinar o que motivou Stephen Paddock a comprar mais de 30 armas em outubro de 2016 e não descartam hipótese de ele ter contado com ajuda para acumular arsenal, incluindo munições e explosivos, encontrado pela polícia

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 11h25

LAS VEGAS, EUA - O homem que matou 58 pessoas em Las Vegas e se suicidou após cometer o pior ataque a tiros da história moderna dos Estados Unidos armazenou armas e munições durante décadas e planejou meticulosamente o ataque, acreditam as autoridades.

Enquanto Trump silencia sobre armas, Las Vegas estimula ‘turismo da bala’

Mas o que levou Stephen Paddock, de 64 anos, a realizar o massacre continua essencialmente um mistério.

“O que sabemos é que Stephen Paddock é um homem que passou décadas adquirindo armas e munição e vivendo uma vida secreta, grande parte da qual jamais entenderemos totalmente”, disse o xerife do condado de Clark, Joseph Lombardo, em entrevista na noite de quarta-feira.

Lombardo disse que acha difícil acreditar que o arsenal de armas, munições e explosivos encontrado pela polícia na investigação possa ter sido acumulado somente por Paddock. “Você tem que presumir que ele teve alguma ajuda em algum momento”, disse o xerife.

Quase 500 pessoas também ficaram feridas quando Paddock disparou contra um multidão que assistia um festival musical, na noite de domingo, a partir de sua suíte no 32º andar do hotel Mandalay Bay, na Las Vegas Strip, principal avenida da cidade. Em seguida ele tirou a própria vida.

Existem indícios de que Paddock tentou sobreviver e escapar. Ele também pode ter sondado o local, ocupando um quarto no Ogden, um hotel próximo, durante o festival Life is Beautiful uma semana antes, disse Lombardo.

A polícia recuperou quase 50 armas de fogo em três localidades que revistou, quase metade delas na suíte do hotel. Doze dos fuzis foram equipados com um mecanismo que permitiu que as armas fossem usadas como se fossem automáticas.

Lombardo disse que os investigadores estão examinando a possibilidade de algum acontecimento na vida de Paddock ter motivado a compra de mais de 30 armas em outubro de 2016. Ele não deu detalhes sobre essa linha de atuação das autoridades.

Ainda não surgiu nenhum indício “para indicar terrorismo” no massacre, disse Aaron Rouse, agente especial do FBI a cargo do escritório de campo em Las Vegas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.