Atirador do cinema recebe 142 acusações

Para cada uma das 12 vítimas de James Holmes foram apresentados 2 indiciamentos, assim como para os 58 feridos no massacre

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2012 | 03h04

O atirador responsável pelo massacre durante a exibição de um filme do Batman na madrugada do dia 20, James Holmes, será processado por 142 acusações - 24 de assassinato, 116 tentativas de homicídio, por posse de explosivo e por cometer um crime violento. A informação dada por um tribunal do Colorado ontem.

Holmes, de 24 anos, matou 12 pessoas e feriu 58 ao invadir um cinema da cidade de Aurora, no Colorado, lançar bombas de gás lacrimogêneo e usar 3 pistolas e 1 metralhadora em um dos episódios de violência mais chocantes dos EUA nos últimos anos. Para cada uma das 12 vítimas foram apresentadas 2 acusações: assassinato premeditado e assassinato com extrema indiferença à vida humana. Ele também enfrenta 2 acusações para cada um dos 58 feridos.

Desta vez, a aparição de Holmes na corte não foi filmada, como ocorreu na semana passada. Pessoas que estiveram presentes, incluindo parentes das vítimas, o descreveram como disposto e com o cabelo ainda tingido de laranja. Na primeira vez, o atirador parecia grogue, chegando a fechar os olhos, sem prestar atenção ao que ocorria.

Durante toda a aparição, Holmes, sentado entre seus dois advogados, disse apenas a palavra "sim" ao ser questionado pelo juiz William Sylvester sobre se havia entendido as acusações contra ele. No restante do tempo, ficou calado.

As 24 acusações envolvendo os 12 assassinatos devem-se a uma estratégia da promotoria de tentar acusá-lo por assassinato em primeiro grau além de mais uma acusação por extrema indiferença.

A primeira audiência está marcada para o fim de setembro. Não está claro se Holmes poderá ser condenado à pena de morte, prevista pelas leis do Estado, mas raramente executada.

O juiz vem mantendo em segredo uma série de evidências envolvendo o caso, embora órgãos de imprensa tenham apresentado um recurso à Justiça para que tudo seja tornado público. No dia 9, haverá uma audiência sobre o assunto.

Até agora, a polícia diz que não descobriu o motivo para Holmes ter levado adiante o massacre no cinema na cidade de Aurora durante a pré-estreia do filme Batman, O Cavaleiro das Trevas Ressurge. O atirador tem se mantido calado, não dando informações para os investigadores. Mas teria sido encontrada uma série de pistas em seu apartamento.

Holmes fazia doutorado em neurociência na Universidade do Colorado até junho, quando optou por desistir do curso. Nesta época, ele teria iniciado os planos para o massacre.

Em mais um desdobramento trágico do massacre, Ashley Moser, que estava grávida e ficou paralítica no ataque, teve um aborto espontâneo no fim de semana. Sua filha de 6 anos também foi atingida por Holmes e é a vítima mais jovem da matança.

Depois de um primeiro momento no qual a questão do direito à posse de armas nos EUA, previsto pela 2.ª Emenda da Constituição dos EUA, dominou o debate, a questão acabou perdendo força. O presidente Barack Obama e seu adversário, o republicano Mitt Romney, preferiram não bater de frente com a legislação. O mesmo ocorreu em episódios anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.