Britta Pedersen/Efe
Britta Pedersen/Efe

Atirador na Noruega usou balas especiais, diz médico

Segundo cirurgião que atende vítimas, balas 'dum-dum' se desintegram no corpo das vítimas

AE, Agência Estado

24 Julho 2011 | 15h04

Texto atualizado às 16h57

 

HONEFOSS, NORUEGA - O cirurgião-chefe do hospital que cuida das vítimas do massacre contra o acampamento dos adolescentes na ilha de Utoya, na Noruega, Colin Poole, disse neste domingo, 24, que o atirador usou balas especiais nos disparos.

 

Veja também:

linkSobreviventes relatam momentos de terror

linkAtirador norueguês se entregou sem resistir

linkDisparos duraram 1 hora e meia, diz polícia

linkAtentados deixaram pelo menos 92 mortos 

linkAtirador em ilha tem opiniões extremistas

linkSuspeito comprou 6 toneladas de fertilizantes

linkHomem com faca é preso perto de premiê

linkAdolescentes fugiram de atirador a nado

blog VÍDEO: Os danos após a explosão em Oslo

lista Relembre ataques terroristas na Europa

 

Segundo Poole, essas balas são projetadas para se desintegrar no corpo das vítimas e provocar o máximo de danos físicos internos. Elas são conhecidas como balas "dum-dum".

 

O médico, que é chefe de cirurgia do Hospital Ringriket, em Honefoss, no noroeste de Oslo, disse que cirurgiões que cuidam de 16 vítimas não conseguiram recuperar balas inteiras. "Essas balas explodem dentro dos corpos das vítimas. Elas provocam danos internos terríveis".

 

Especialistas em balística dizem que as balas "dum-dum" são mais leves e podem ser disparadas com maior precisão, a partir de distâncias variáveis.

 

Pelo menos 85 pessoas foram mortas na última sexta-feira, quando um atirador disparou indiscriminadamente contra as vítimas. O suspeito é o norueguês Anders Behring Breivik, de 32 anos.

 

Segundo a polícia, ele afirmou ter agido sozinho. Neste domingo, o chefe de polícia Sveinung Sponheim disse que Breivik "admitiu ambos os atentados, a explosão e o tiroteio, mas não admite culpa criminal".

 

Sponheim afirmou ainda que o atirador "disse que estava sozinho, mas a polícia precisa verificar tudo o que ele disse. Algumas das testemunhas do tiroteio nos deixaram inseguros quanto à possibilidade de haver um ou mais atiradores".

 

No sábado, Breivik disse que os atos foram "crueis mas necessários".

 

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.