Atiradores matam 4 policiais e ferem 7 em protesto racial em Dallas

Manifestação era contra a morte de negro por policiais brancos em Minnesota; polícia de Dallas lança caçada aos autores dos disparos

NYT, AFP, REUTERS, AP, O Estado de S. Paulo

08 Julho 2016 | 00h54

Dois franco-atiradores, segundo a polícia de Dallas, dispararam nesta quinta-feira, 7, contra uma multidão que protestava no centro da cidade contra a morte de um negro por policiais brancos em Minnesota. Onze políciais foram baleados, 4 morreram e 7 ficaram feridos. A polícia isolou a região e iniciou uma caçada aos atiradores.

A manifestação em Dallas era pela morte de um negro de 32 anos em Minnesota, após uma abordagem de trânsito em St. Paul. A morte foi captada em vídeo, que foi transmitido ao vivo pelo Facebook. Imediatamente, protestos foram registrados em várias cidades dos EUA nesta quinta-feira.

Durante viagem à Polônia, o presidente Barack Obama comentou sobre o caso. “Estes não são incidentes isolados, são sintomáticos de um conjunto mais amplo de disparidades raciais em nosso sistema criminal”, disse. “Todos nós, como americanos, devemos ficar perturbados por estes tiros.” Para o governador democrata de Minnesota, Mark Dayton, o assassinato não teria ocorrido se o motorista fosse branco. “Esse tipo de racismo existe. E é nossa tarefa fazer de tudo para que não ocorra de novo”, disse. 

Nova York, Washington, Chicago, Atlanta e Seattle também registraram protestos. O caso mais grave foi mesmo em Dallas. Segundo a polícia local, franco-atiradores dispararam contra policiais, ferindo pelo menos sete agentes e matando quatro. A polícia não deu detalhes, mas cercou a área e tenta localizar os autores dos disparos. Fotos de suspeitos com roupas camufladas e fuzis foram divulgadas pelos policiais de Dallas, que pediram ajuda da população para localizá-los. 

Mais conteúdo sobre:
EUA Dallas

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.