1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ausência da Rússia em cúpula sobre questão nuclear expõe tensão com EUA

- Atualizado: 29 Março 2016 | 20h 26

Evento que reúne líderes mundiais pra debater formas de conter proliferação de armas atômicas e impedir que terroristas tenham acesso a elas será o último com a participação de Obama, idealizador da iniciativa em seu primeiro mandato

Sob impacto da ascensão do Estado Islâmico (EI) e dos atentados na Bélgica, os EUA comandarão a partir de amanhã a quarta Cúpula de Segurança Nuclear, que tem entre seus objetivos impedir o acesso de grupos terroristas a materiais atômicos. O evento será desfalcado pela ausência da Rússia, que pela primeira vez rejeitou o convite americano para participar do encontro, em um sinal da crescente tensão no relacionamento entre duas maiores potências nucleares do mundo. 

A cúpula foi idealizada pelo presidente Barack Obama no seu primeiro ano de governo, em 2009, e foi realizada pela primeira vez em 2010. Um de seus principais temas é a discussão de mecanismos para ampliar a segurança de materiais atômicos e radioativos, para evitar que eles caiam nas mãos de grupos terroristas. 

“Nós sabemos que organizações terroristas querem ter acesso a esse produtos para desenvolver armas nucleares”, declarou Ben Rhodes, do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. 

Segundo estimativa do governo americano, existem 2 mil toneladas de urânio enriquecido e plutônio separado em programas civis e militares ao redor do mundo, que poderiam ser usados na fabricação de até 150 bombas atômicas. 

Além da segurança nuclear, o encontro terá uma sessão especial para discutir o combate aos extremistas do EI, que reivindicou a autoria do atentado que provocou a morte de 32 pessoas na Bélgica na semana passada.

Líderes. A cúpula será realizada em Washington e terá a participação de 52 países. A presidente Dilma Rousseff cancelou ontem sua viagem à capital americana e será representada pelo ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira. 

A Rússia esteve presente nas três edições anteriores da cúpula, que é uma das principais iniciativas de Obama na área de não proliferação e segurança nuclear. O Kremlin anunciou na semana passada que o presidente Vladimir Putin não tinha intenção de participar do encontro na capital dos EUA. 

Segundo a Rússia, a cúpula representa uma interferência indevida em organizações multilaterais que já se dedicam à segurança nuclear. Em vez de participar da cúpula, Moscou afirmou preferir trabalhar para reforçar a atuação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), cujos líderes participarão da reunião em Washington.

Iranianos comemoram acordo nuclear nas ruas de Teerã
Ebrahim Noroozi/AP
Iranianos comemoram acordo nuclear nas ruas de Teerã

Jovens iranianos usam sprays em chamas para comemorar o acordo nuclear entre seu país e as potências mundiais

Deterioração. “Nossa relação com a Rússia é fundamentalmente diferente do momento em que o presidente assumiu o cargo, em 2009”, disse Frank Rose, secretário-assistente do Departamento de Estado americano para controle de armas. “Nós tínhamos a esperança de ter uma parceria estratégica com a Rússia e isso não está mais presente”, afirmou Rose em evento realizado ontem no Wilson Center. 

Segundo ele, a Rússia tem adotado uma retórica cada vez mais agressiva em relação à sua política nuclear e passou a descumprir dispositivos do tratado bilateral de 1987, que limita o arsenal de mísseis de longo alcance dos dois países. 

Contrariando o acordo, a Rússia realizou nos últimos dois anos testes de mísseis que estão proibidos, afirmou Rose. “Tentamos usar a diplomacia para convencer a Rússia a respeitar o tratado, mas não fomos bem-sucedidos.” 

Na avaliação de Rhodes, a ausência de Putin representa uma “oportunidade perdida” para a Rússia. “Eles estão se isolando”, declarou. 

Obama receberá os chefes de Estado em jantar amanhã na Casa Branca e presidirá a cúpula na sexta-feira. Antes, ele terá um encontro trilateral com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, para discutir a ameaça representada pela Coreia do Norte e as ambições nucleares Kim Jong-un.

O assunto também estará na pauta da reunião bilateral que Obama terá amanhã com o presidente da China, Xi Jinping. “Temos o interesse comum de evitar a desestabilização da Península Coreana”, afirmou Rhodes, após ressaltar que Pequim votou a favor de todas as propostas de sanções contra Pyongyang apresentadas ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

O governo norte-coreano anunciou recentemente que obteve sucesso na miniaturização de ogivas nucleares. Kim também afirmou que o país estava preparando novos testes com mísseis e com uma bomba atômica para breve.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX