1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Autoridades de Miami rejeitam consulado de Cuba na cidade

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 10h 31

Autoridades aprovaram resolução reiterando posicionamento contrário à medida, mas texto tem caráter simbólico já que cabe a Washington decidir onde as sedes diplomáticas serão instaladas

MIAMI - Autoridades de Miami aprovaram na quarta-feira uma resolução na qual rejeitam a possibilidade de que um consulado de Cuba seja instalado na cidade, alegando razões de segurança. Em Miami, vive grande parte dos cubanos que deixaram a ilha em direção aos Estados Unidos.

Aprovada pelas autoridades do condado de Miami-Dade, onde fica Miami, a resolução "urge ao governo do presidente (Barack) Obama que se abstenha de estabelecer um consulado cubano" na região.

Moradores de Key Biscayne, na Flórida, recolhem bote improvisado que chegou com 9 pessoas que disseram ser cubanas

Moradores de Key Biscayne, na Flórida, recolhem bote improvisado que chegou com 9 pessoas que disseram ser cubanas

De acordo com o texto, o condado de Miami-Dade "tem a maior população de cubano-americanos nos Estados Unidos", e muitos deles "fugiram da opressão e da injustiça" do governo cubano. Por esse motivo, um consulado da Ilha "poderia exacerbar paixões e criar riscos de insegurança".

A resolução foi proposta pelo comissário Esteban Bovo, filho de um veterano da frustrada invasão da Baía dos Porcos, em 1961, para quem a abertura do consulado seria inconveniente.

Bovo criticou a aproximação entre EUA e Cuba e questionou o fato de que os impostos pagos pelos imigrantes cubanos no condado de Miami-Dade possam acabar arcando com a "proteção de um consulado cubano que apoia a ditadura".

O texto tem caráter simbólico, porém, já que cabe a Washington decidir onde as sedes diplomáticas serão instaladas.

Além disso, a resolução sugere outras cidades alternativas como Tampa, na Flórida, e Nova Orleans, na Louisiana, e menciona uma pesquisa do jornal "Miami Herald", segundo a qual menos da metade dos cubanos que vivem na Flórida são favoráveis a sua abertura

Há alguns dias, a rejeição à possibilidade de um consulado de Cuba em Miami também foi anunciada pelo prefeito da cidade, Tomás Regalado, que nasceu em Cuba e cujo pai foi um preso político na Ilha, alegando "razões morais" e de segurança.

"Irei a uma corte federal, se o Departamento de Estado conceder a Cuba uma licença para estabelecer um consulado aqui", ameaçou Regalado, citado pelo jornal Miami Herald.

Estados Unidos e Cuba restabeleceram relações diplomáticas no dia 20 de julho de 2014, com a reabertura de embaixadas em Havana e Washington após mais de meio século de inimizade. / AFP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX