AFP PHOTO / Martin BUREAU
AFP PHOTO / Martin BUREAU

Avião da FAB resgata 14 na Ilha de Saint Martin

Entre os que foram trazidos ao Brasil estão sete brasileiros, quatro holandeses, dois venezuelanos e um americano

O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 21h35

BRASÍLIA - Chegou na madrugada desta quarta-feira a Brasília o avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que resgatou 14 pessoas que estavam na Ilha de Saint Martin, no Caribe, durante a passagem do furacão Irma. Entre os passageiros estavam sete brasileiros, quatro holandeses, dois venezuelanos e um americano.

Um dos brasileiros que chegou no avião presidencial VC-2, da Embraer, foi o paulista Ricardo Passarelli, que morava na ilha havia mais de um ano. Por meio de nota divulgada pela FAB, ele disse que 95% de Saint Martin foi destruída.

Passarelli disse que foram grandes as dificuldades para deixar a ilha, e só aeronaves militares tinham condições de pousar na região. O saguão do aeroporto foi destruído. Com isso, foi necessário montar tendas para que as pessoas tivessem condições de aguardar os voos. “Onde o furacão passou, derrubou tudo”, disse o paulista.

O paranaense Helton Laufer, que havia nove meses morava na Ilha de Saint Martin, também estava entre os passageiros da aeronave. Graças às facilidades que tinha de acesso a sistemas de comunicação, ele pôde ajudar outras pessoas a se comunicar com o Itamaraty. Com isso, foi possível às autoridades brasileiras, mapear necessidades de apoio e acionar as estruturas governamentais necessárias para que a missão de regate fosse cumprida.

Segundo o Itamaraty, o governo brasileiro havia identificado pouco mais de 60 brasileiros nas ilhas caribenhas de Saint Martin, Tortola (uma das Ilhas Virgens Britânicas) e Turcas e Caicos (também sob a soberania britânica), e essas localidades apresentaram situação de colapso total ou parcial da infraestrutura de transportes, comunicações e abastecimento. Alguns brasileiros também receberam apoio ou foram retirados das ilhas graças à cooperação internacional.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.