Vahram Baghdasaryan, PHOTOLURE via AP
Vahram Baghdasaryan, PHOTOLURE via AP

Azerbaijão diz que cessar-fogo com região separatista está sendo respeitado

Ministério de Defesa azeri acusou as forças armênias de romperem a trégua em vários momentos com disparo de morteiros

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2016 | 16h10

BAKU - O cessar-fogo anunciado na terça-feira pelo Azerbaijão e por separatistas da região de Nagorno-Karabakh foi amplamente respeitado nesta quarta-feira, 6, após a erupção de um confronto que levantou temores de uma nova guerra entre azeris e forças armênias.

O Ministério de Defesa do Azerbaijão disse que as tropas têm respeitado o cessar-fogo na região desde o meio-dia de terça-feira, após três dias de batalhas intensas envolvendo artilharia pesada e rojões. Ele acusou as forças armênias de romperem a trégua em diversos momentos nesta quarta-feira ao dispararem morteiros para as posições dos azeris.

"As Forças Armadas da Armênia violaram em 115 ocasiões o cessar-fogo na linha de contato. Os ataques ocorreram ao longo de toda a linha" que separa as posições dos dois grupos, denunciou o porta-voz do Ministério de Defesa azeri Vagif Dargiajli.

O porta-voz militar de Nagorno-Karabakh, Senor Asratyan, insistiu que as forças têm respeitado rigorosamente o cessar-fogo. "As informações da parte azeri sobre as violações pela parte armênia são desinformação", disse.

O conflito que irrompeu ao longo do fim de semana matou ao menos 63 pessoas e ficou marcado como um dos episódios de maior violência desde a guerra separatista, encerrada em 1994, e deixou Nagorno-Karabakh - oficialmente uma parte do Azerbaijão - sob o controle do Exército e das forças armênias.

As Forças Armadas do Azerbaijão perderam 31 soldados durante os quatro dias de enfrentamentos com os armênios, informou nesta quarta-feira o Ministério da Defesa do Azerbaijão. "Durante os combates em Nagorno-Karabakh, perdemos 31 soldados, um helicóptero e um tanque", disse Dargiajli. Ele acrescentou que os números oferecidos pelo lado armênio sobre a destruição de 24 tanques e 2 helicópteros azeris "são falsos".

Turquia. Um representante das autoridades do enclave armênio denunciou que militares turcos participaram do lado azeri nos combates pelo controle de Nagorno-Karabakh. "Instrutores e oficiais (turcos) não só exercem como assessores militares do Exército azeri, como há casos de participação direta dos soldados turcos com uniformes azeris em destacamentos especiais", disse Arsen Melik-Shajnazarov, porta-voz de Karabakh em Moscou, à agência de notícias russa Interfax.

A fonte disse que as autoridades de Nagorno-Karabakh apresentarão "provas concretas da participação de forças especiais turcas nas operações do primeiro dia".

Melik-Shajnazarov destacou que no sábado foram detectadas comunicações por rádio em turco. "A Turquia não só apoia totalmente a política do Azerbaijão, como também vende e fornece armas, de veículos blindados a plataformas de lançamento de mísseis, fuzis e outras coisas. Isto é um fato bem conhecido", acrescentou.

A Armênia também acusou Ancara de desempenhar um "papel negativo" sobre Nagorno-Karabakh e se opôs a sua provável participação como mediador em possíveis negociações de paz.

O ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, disse que Moscou não acusa a Turquia de instigar o conflito, mas condenou as tentativas de "atores externos" de impactar o processo de paz entre armênios e azeris.

Logo após o início das hostilidades, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que Ancara apoiará o Azerbaijão "até o final", por isso a Armênia o acusou de incentivar os agressivos planos militares de Baku. /ASSOCIATED PRESS e EFE

Mais conteúdo sobre:
cessar-fogo Azerbaijão Nagorno-Karabakh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.