1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Bairro da capital da Libéria é isolado para conter Ebola

Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 12h 17

A presidente do país ordenou isolamento do bairro de West Point colocou a cidade de Dolo, 50 quilômetros ao sul da capital, sob quarentena

Forças de segurança isolaram um bairro à beira-mar em Monróvia, capital da Libéria, nesta quarta-feira, intensificando as medidas do governo para interromper a disseminação do Ebola. A medida deixou os moradores preocupados e provocou um protesto no local.

Na região central da capital havia poucos carros ou pessoas, já que os moradores decidiram ficar dentro de casa depois de a presidente Ellen Johnson Sirleaf ter ordenado o isolamento do bairro de West Point e a imposição de um toque de recolher noturno, afirmando que as autoridades não têm conseguido conter o avanço da doença em razão do desafio às recomendações feitas.

Abbas Dulleh/AP
A medida preocupou moradores e provocou um protesto no local

Sirleaf ordenou o fechamento de locais de aglomeração de pessoas como cinemas e clubes noturnos e colocou a cidade de Dolo, 50 quilômetros ao sul da capital, sob quarentena. "Estas medidas têm como objetivo salvar vidas", disse ela em discurso na noite de terça-feira.

O ebola já matou pelo menos 1.129 das mais de 2.200 pessoas infectadas na Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Libéria tem o mais alto número de mortos e a quantidade de infectados sobe rapidamente.

O medo e as tensões aumentam na capital, especialmente em locais como West Point, onde há forte desconfiança nas autoridades. Corpos são jogados diariamente nas ruas por parentes que temem ser infectados. Moradores temerosos ligam para uma linha direta do governo pedindo a remoção, mas algumas vezes os mortos ficam ao relento por horas e até mesmo dias.

Nesta quarta-feira, policiais e soldados foram enviados para impedir qualquer pessoa de entrar ou sair de West Point, bairro que ocupa uma península onde o rio Mesurado se encontra com o oceano Atlântico. Poucas vias dão acesso à área e uma rodovia principal passa pela base da península, servindo como uma barreira entre o bairro e o restante da capital. Um barco da guarda costeira também fazia a patrulha das águas num raio de um quilômetro ao redor da península.

Moradores do bairro saquearam um centro de triagem de ebola no final de semana, acusando o governo de levar pessoas doentes de toda a cidade, para perto do local.

Sirleaf diz que a doença continua a se espalhar por causa de pessoas que escondem infectados ou desafiam as ordens para não tocar nos mortos, mas muitos liberianos acreditam que o governo não está fazendo o suficiente para protegê-los do ebola. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo