Barack Obama ganha Nobel da Paz por esforços diplomáticos

Presidente dos EUA foi escolhido por trabalhos 'extraordinários para fortalecer a diplomacia internacional'

estadao.com.br,

09 Outubro 2009 | 06h11

    

Obama faz discurso histórico no Cairo pedindo aproximação com o mundo muçulmano em junho deste ano. Foto: Ben Curtis/AP

 

 

OSLO - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi anunciado nesta sexta-feira, 9, como vencedor do prêmio Nobel da Paz. Segundo o comitê no Nobel, Obama receberá o prêmio "por seus esforços extraordinários para fortalecer a diplomacia internacional e a cooperação entre os povos".

 

Veja também:

Nobel da Paz para Obama 'consagra o retorno da América'

forum Enquete: Obama mereceu o Nobel da Paz?

video  Vídeo: anúncio do Nobel em Oslo

mais imagens Fotos: Veja a trajetória de Barack Obama

blog Blog do Piza: Escolha de Obama como Nobel é feliz

blog Blog do Gustavo Chacra: Nobel com duas guerras nas costas

blog Leia repercussão da escolha de Obama no mundo

lista Leia tudo o que foi publicado sobre Barack Obama

 

O comitê apontou "a importância especial da visão e do trabalho de Obama para um mundo sem armas nucleares" e disse que ele criou um "novo ambiente na política internacional". "Apenas muito raramente uma pessoa atraiu tanto a atenção do mundo e deu a seu povo a esperança de um mundo melhor", declarou o comitê.

 

"A visão de um mundo sem armas nucleares estimulou o desarmamento e as negociações para o controle de armamento. Graças à iniciativa de Obama, Estados Unidos estão desempenhando um papel mais construtivo para fazer frente aos desafios da mudança climática que enfrenta o mundo", acrescentou o Instituto.

 

É a terceira vez que um presidente americano em exercício recebe o Nobel da Paz, após Theodore Roosevelt (1906) e Woodrow Wilson (1919). Em 2002, a homenagem foi feita ao ex-presidente Jimmy Carter, por seu trabalho mediador. Em 2007, o ex-vice-presidente Al Gore, também democrata, o recebeu por seu trabalho na luta contra a mudança climática.

 

Perguntado porque o prêmio foi dado a Obama menos de um ano depois que assumiu o cargo, o presidente do comitê do Nobel, Thorbjoern Jagland disse que o comitê queria "apoiar o que ele está tentando atingir".

 

O Nobel da Paz deste ano alcançou um recorde de candidaturas, 205, dos quais 33 correspondiam a organizações. Entre os outros nomes cogitados para o prêmio estavam o dissidente chinês Hu Jia, a ex-refém e ativista colombiana Ingrid Betancourt e a negociadora colombiana Piedad Cordoba. No ano passado, Ingrid chegou a convocar uma coletiva de imprensa, mas não foi premiada.

 

O comitê deu o prêmio a Obama, de 48 anos, menos de nove meses após ele assumir a Presidência. Apesar de estabelecer uma agenda internacional ambiciosa, ele ainda tem de conseguir avanços no Oriente Médio ou na questão do programa nuclear iraniano. Ele também enfrenta escolhas difíceis sobre a condução da guerra no Afeganistão. No mês passado Obama presidiu uma reunião histórica no Conselho de Segurança da ONU, que aprovou por unanimidade uma resolução promovida pelos Estados Unidos pedindo aos países que detêm armas nucleares que fechem seus arsenais.

 

O primeiro presidente negro do país reuniu na mesa de negociações o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Aprovou uma nova abordagem para lidar com países como Irã, Mianmar e Coreia do Norte - considerados parte do "Eixo do Mal" no governo de seu antecessor, George W. Bush -, além de mostrar mais vontade de enfrentar os problemas climáticos.

 

Obama foi ao Cairo para um importante discurso sobre as relações com o mundo muçulmano, prejudicadas desde a invasão do Iraque em 2003, durante o governo Bush. Na ONU, ele relançou uma iniciativa para reduzir o número de armas nucleares no mundo.

 

No ano passado, o prêmio Nobel da Paz foi entregue ao ex-presidente da Finlândia Martti Ahtisaari, que esteve envolvido em várias negociações de conflitos, como os de Kosovo e do Iraque. Segundo Ahtisaari, o prêmio deve "encorajar" os esforços de Obama no Oriente Médio. "Este é um claro estímulo para fazer algo nesse tema, eu desejo a ele boa sorte", disse o finlandês em entrevista à CNN.

 

Segundo a BBC, o vencedor do Nobel da Paz – escolhido por um comitê formado por cinco membros – ganha uma medalha de ouro, um diploma e um prêmio em dinheiro de 10 milhões de coroas suecas - o equivalente a cerca de R$ 2,5 milhões, que será entregue em Oslo em 10 de dezembro.

 

"Uaauu!"

   

A surpresa que causou em Washington a premiação ficou claramente plasmada na primeira reação extra-oficial do porta-voz da Casa Branca que, bombardeado com e-mails de madrugada, se limitou a responder: "Uaauu!".  Essa foi textualmente a primeira resposta do porta-voz presidencial, segundo disse às seis da manhã o correspondente perante a Casa Branca da da rádio local WTOP. A Casa Branca, que não pôde ocultar sua surpresa perante a notícia, prepara reação oficial à grande homenagem que o Comitê de Nobel fez ao presidente.

 

Obama não recebeu o telefonema do comitê antes do anúncio oficial, ação normalmente realizada pelo Nobel. Segundo o chefe do comitê, "acordar um presidente no meio da noite não é algo que pode ser feito". Além disso, a organização não quis correr o risco de que o nome do premiado vazasse antes da hora, como já aconteceu.

 

Quando informado por um e-mail da Reuters de que muitas pessoas no mundo ficaram surpresas pelo anúncio, o maior conselheiro de Obama, David Axelrod, respondeu, "Nós também".

Mais conteúdo sobre:
Nobel da Paz Barack Obama EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.