1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barril do petróleo da Venezuela cai para US$ 24,38, menor nível em 12 anos

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 18h 43

As cotações do petróleo do país têm perdido valor desde a virada do ano. Na última semana de 2015, o barril venezuelano era cotado a US$ 30,14, passando para US$ 26,40 após os primeiros sete dias de janeiro

CARACAS - O preço do barril do petróleo da Venezuela fechou nesta sexta-feira, 15, em US$ 24,38, uma queda de US$ 3,49 em relação à semana anterior, atingindo o menor nível em 12 anos, informou o Ministério do Petróleo e Mineração do país.

"A persistente preocupação sobre a desaceleração da economia da China, a ampla disponibilidade do produto nos principais mercados e a força do dólar frente ao euro foram os fatores que se uniram para exercer pressão nas cotações do petróleo durante a atual semana", indicou o relatório semanal divulgado pelo ministério. 

Petróleo venezuelano sofre forte queda 

Petróleo venezuelano sofre forte queda 

Além disso, o ministério destacou o comportamento dos preços do petróleo de outras regiões. O barril do Brent, de referência na Europa, fechou em US$ 31,46 frente aos US$ 35,41 da última semana. Já o Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve), o principal nos Estados Unidos, registrou uma queda de US$ 34,99 para US$ 31,34 no período, segundo os dados venezuelanos.

As cotações do petróleo do país têm perdido valor desde a virada do ano. Na última semana de 2015, o barril venezuelano era cotado a US$ 30,14, passando para US$ 26,40 após os primeiros sete dias de janeiro.

Com os valores registrados nesta semana, o preço de venda médio de 2016 é de US$ 25,93, muito abaixo dos US$ 44,65 do ano passado e dos US$ 88,42 de 2014. As cotações começaram a cair em 12 de setembro de 2014, quando o barril era cotado a US$ 90,19.

A Venezuela, quinto maior exportador mundial de petróleo, produz cerca de 3 milhões de barris diários e comercializa cerca de 2,5 milhões, especialmente para os EUA e a China. A venda do produto gera 95% das receitas de exportação do país. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX