AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Bibi foi a Washington tentar 'estancar a sangria'

Bibi é acusado de receber, do bilionário Arnon Milchan, remessas de charutos cubanos, champanhe e outros mimos, estimados em US$ 180 mil

Helio Gurovitz , O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2017 | 04h00

O premiê israelense, Bibi Netanyahu, foi recebido com pompa na Casa Branca por Donald Trump. Sobre a paz com os palestinos, Trump se saiu com uma frase ambígua, apoiando um Estado, dois Estados, tanto faz, o que for melhor. Bibi era só sorrisos. Nem mencionou o recrudescimento do antissemitismo nos EUA após a eleição de Trump.

O problema dele é outro: enfrenta investigações por corrupção em Israel e, se indiciado, perderá o cargo. Bibi é acusado de receber, do bilionário Arnon Milchan, remessas de charutos cubanos, champanhe e outros mimos, estimados em US$ 180 mil, e de ter obtido em contrapartida a renovação do visto americano de Milchan, o que lhe salva de milhões em impostos em Israel.

Em outra denúncia, David Shimron, primo e advogado de Bibi, é apontado como lobista da Thyssen Krupp, dispensada de licitação na venda de três submarinos a Israel, desnecessária segundo os militares – a pressão de Bibi em favor do contrato derrubou o ministro da Defesa em maio. Bibi foi flagrado numa escuta negociando acordo com seu arqui-inimigo Arnon Mozes, dono do jornal Yediot Ahronot.

Em troca de cobertura favorável, Bibi tomaria medidas para deter o crescimento do rival Israel Hayom, do bilionário americano Sheldon Adelson (partidário histórico de Bibi e recente de Trump). A conversa não deu em nada. Bibi diz que era uma armadilha para pegar Mozes. O procurador-geral Avichai Mandelblit tem sido benevolente com ele. Deveria tomar lições em Curitiba.

O entusiasta dos colonos quer o poder

Ao tentar, sem sucesso, obter de Trump apoio para mais colônias israelenses na Cisjordânia, Bibi procurava neutralizar o programa de seu maior rival na própria coalizão: o ministro da Educação, Naftali Bennett. Entusiasta dos colonos, Bennett conseguiu que o Parlamento legalizasse este mês 4 mil casas construídas em 55 assentamentos. Pressiona agora pela anexação de 60% da Cisjordânia. Se Bibi cair, é candidato natural a liderar a coalizão. Paz? Estado palestino? Para Bennett, nem pensar.

 

A “Glória da Jihad”  assume o poder

Em Gaza, o Hamas escolheu como novo comandante Yahia Sinuar, líder da espionagem militar do grupo, chamada em árabe de Majd – “glória” ou sigla de “organização da jihad e pregação”. Na lista americana de terroristas desde 2015, Sinuar ficou preso em Israel entre 1988 e 2011, quando foi libertado na troca pelo soldado Gilad Shalit, mantido como refém pelo Hamas por cinco anos. Paz? Reconhecimento de Israel? Para Sanuar, nem pensar.

 

Mais juízes que Clinton, Obama e Bush

Trump tem menosprezado o Judiciário. Não deveria. Fora vagas na Suprema Corte, ele indicará bem mais juízes que os antecessores. De 870 postos cuja indicação cabe ao presidente, 12% estão vagos, e 24% são ocupados por juízes com mais de 70 anos. Em oito anos, as indicações somarão 38%, segundo o blog The Upshot – mais que Clinton (31%), Obama (29%) e W. Bush (26%). 

 

Trump e os emolumentos

Nem bem ele declarou apoio à política de “uma só China”, autoridades chinesas concederam a suas empresas a exploração da marca Trump em construção civil. Caberá aos juízes dizer se há violação do artigo da Constituição que proíbe o presidente de receber presentes ou “emolumentos” de países estrangeiros.

 

A imprensa faz o jogo dele

É o que diz o âncora da CBS John Dickerson. Ao tratar deslizes e frases absurdas de Trump como escândalos, jornalistas dão a ele diariamente argumentos para condenar a “mídia” e tratá-la como partido opositor. Exatamente como Lula fazia no Brasil. Trump até agora só falou. Não impediu nenhum jornalista de trabalhar, nem de publicar nada. Deixa falar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.