Bin Laden esteve 'ao alcance' dos EUA em 2001, diz relatório

Documento do Senado americano diz que governo Bush recusou pedido por reforços militares na época.

BBC Brasil, BBC

29 Novembro 2009 | 07h27

Um relatório apresentado pelo Senado dos Estados Unidos concluiu que o líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, estava "ao alcance" das forças militares americanas no Afeganistão no final de 2001.

Segundo o documento, preparado por democratas da Comissão de Relações Exteriores do Senado, os militares pediram reforço para intensificar as operações naquela época, mas não obtiveram.

"Enquanto a vasta estrutura do poderio militar americano era mantido em segundo plano, o comando dos Estados Unidos preferiu confiar em ataques aéreos e em milícias afegãs destreinadas", afirma o relatório, em relação à operação para perseguir Bin Laden no complexo de cavernas e túneis nas montanhas conhecido como Tora Bora.

"Por volta do dia 16 de dezembro (de 2001), dois dias depois de redigir seu testamento, Bin Laden e seus guarda-costas saíram a pé de Tora Bora, sem serem incomodados, e desapareceram na área tribal e sem lei do Paquistão", completa o documento.

Bush

O relatório critica ainda os membros do governo do então presidente, George W. Bush, e os comandantes militares da época, e rejeita alegações dadas por eles de que as informações de inteligência recebidas sobre a localização de Bin Laden naquele momento eram inconclusivas.

"A revisão de documentos daquela época, dados não classificados coletados pelo governo e entrevistas com pessoas centrais a este relatório remove qualquer dúvida pendente e deixa claro que Osama Bin Laden estava a nosso alcance em Tora Bora", afirma.

Os autores do texto apresentado pelo Senado americano reconhecem que a captura do líder da Al-Qaeda "não teria eliminado a ameaça terrorista no mundo".

Mas eles acrescentam que "as decisões que abriram as portas para sua fuga para o Paquistão permitiram a Bin Laden emergir como uma poderosa figura simbólica que continua a atrair um fluxo estável de dinheiro e a inspirar fanáticos em todo o mundo", conclui.

O relatório é apresentado no momento em que o presidente Barack Obama se prepara para anunciar uma decisão sobre o envio de novas tropas para o Afeganistão. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.