Mohammad Sajjad/AP
Mohammad Sajjad/AP

Bin Laden viveu em 5 casas e teve 4 filhos no Paquistão, diz viúva

Em depoimento à Justiça paquistanesa, Amal Fateh afirma que chegou a dar à luz em dois hospitais públicos

30 Março 2012 | 21h43

ISLAMABAD - Osama bin Laden passou nove anos fugindo no Paquistão após os atentados de 11 de setembro de 2001 e durante esse período viveu em cinco casas protegidas, tornou-se pai de quatro filhos e pelo menos dois deles nasceram em hospitais públicos. Foi o que disse sua mulher mais jovem, Amal Ahmad Abdul Fateh, de 30 anos, à Justiça paquistanesa.

Em seu depoimento, ela disse ter concordado em se unir a Bin Laden, em 2000, pois "desejava se casar com um mujahedin". Ela foi de avião do Iêmen para Karachi em julho daquele ano e meses depois cruzou a fronteira do Afeganistão para se juntar a Bin Laden e a duas outras mulheres, em sua base em Kandahar.

Os atentados de 11 de Setembro destroçaram a família. Ela retornou a Karachi, onde permaneceu durante nove meses, com a filha recém-nascida. Depois, eles mudaram de casa sete vezes e os contratos de aluguel eram firmados por intermediários, "algumas famílias paquistanesas e o filho mais velho do líder da Al-Qaeda, Saad".

Amal Fateh disse que deixou Karachi no segundo semestre de 2002 e foi para Peshawar, capital da Província de Khyber Paktunkhwa, onde se juntou ao marido. Com a perseguição a Bin Laden por parte dos americanos mais intensa, o terrorista levou a família para uma região montanhosa na zona rural a noroeste do Paquistão e não para as áreas tribais, onde a atenção ocidental estava concentrada. Ali, residiram em duas casas diferentes durante cerca de nove meses.

Depois, em 2003, a família mudou-se para Haripur, pequena cidade ainda mais próxima de Islamabad, onde viveram numa casa alugada por dois anos. Ali nasceram sua filha Aasia, em 2003, e Ibrahim, em 2004, quando ela deu à luz num hospital público.

Finalmente, em meados de 2005, a família se instalou em Abbottabad, a cerca de 30 quilômetros de Haripur, onde nasceram os dois outros filhos: Zainab, em 2006, e Hussain em 2008.

Amal Fateh disse aos investigadores que as casas foram arranjadas por seus anfitriões pashtun, identificados como dois irmãos, chamados Ibrahim e Abrar, cujas famílias moraram com eles todo esse tempo. O que se acredita é que Ibrahim seria Abu Ahmed al-Kuwaiti, pashtun nascido no Paquistão, conhecido da inteligência americana como o "mensageiro" que levava os recados do saudita.

O relato de Amal, se comprovado, sugere que as forças militares dos EUA chegaram muito perto de Bin Laden no fim de 2005. Nas semanas seguintes a um terremoto que deixou 72 mil mortos no Paquistão, helicópteros Chinook dos Estados Unidos desviaram do Afeganistão para levar socorro para as vítimas e no caminho sobrevoaram o local onde Bin Laden estava. Pervez Musharraf, o presidente do Paquistão na época, afirmava repetidamente que o líder da Al-Qaeda estaria escondido do outro lado da fronteira, no Afeganistão. / NYT

 

Mais conteúdo sobre:
Bin Laden EUA viúva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.