Bióloga morre vítima de ataque de leão marinho

A bióloga britânica Kirsty Brown, de 28 anos, morreu após ser atacada por um leão-marinho, o mais perigoso representante do gênero das focas, quando mergulhava perto da base de pesquisa Rothera, da British Antarctic Survey (BAS), de Cambridge, na Antártida. Colegas viram o ataque, lançaram um bote de resgate e tentaram reanimar Kirsty, mas não conseguiram. O trabalho da bióloga consistia em estudar o impacto dos icebergs nas comunidades marinhas de animais que vivem perto da margem.

Agencia Estado,

23 Julho 2003 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.