EFE/ Yahya Arhab
EFE/ Yahya Arhab

Bombardeio da coalizão árabe perto da capital do Iêmen mata 32 pessoas

Onze das vítimas morreram na cidade de Aser, próxima a capital Sana, quando os aviões da aliança bombardearam um edifício, informaram testemunhas

O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2017 | 17h23

Pelo menos 32 pessoas morreram, incluindo mulheres e menores de idade, em bombardeios nesta segunda-feira, 25, da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita nos arredores da capital iemenita, Sana, e nas províncias da Al Hudaydah e Dhamar.

Onze das vítimas morreram na cidade de Aser, próxima a Sana, quando os aviões da aliança bombardearam um edifício, informaram testemunhas à Agência EFE. No ataque, o imóvel ficou totalmente destruído e nove pessoas que estavam nele morreram.

Também morreram dois menores que passavam pela área no momento do ataque aéreo, segundo relatos de testemunhas que afirmam desconhecer os proprietários do edifício que foi alvo do bombardeio.

+Ônibus invade estação de metrô e deixa cinco mortos em Moscou

Por outro lado, a emissora de TV Al Masira, pertencente aos rebeldes houthis, contra quem atua a coalizão árabe, informou que nove pessoas morreram em dois bombardeios contra um ônibus na região de Al Yarahi, em Al Hudaydah, situada na costa do Mar Vermelho, no Oeste do Iêmen.

A área do ataque está localizada próxima de Hais, onde atualmente ocorrem confrontos entre os houtis e as forças governamentais, que recebem apoio aéreo da coalizão.

+Homem-bomba mata ao menos 6 no Afeganistão

A agência oficial de notícias Saba, controlada pelos rebeldes, disse que mais oito civis morreram em um bombardeio sobre uma fazenda no distrito de Zabid, também na província da Al Hudaydah. Além disso, a Saba informou que mais quatro pessoas morreram e 55 ficaram feridas em bombardeios da coalizão contra uma sede das alfândegas iemenitas na província de Damar, a 100 quilômetros ao sul de Sana.

O Iêmen enfrenta uma guerra civil entre as forças leais ao presidente Abd Rabbuh Mansur Al Hadi, exilado em Riad, e os rebelde houtis, que controlam regiões do Norte e do Oeste do país, e sua capital./AGÊNCIA BRASIL E EFE

Mais conteúdo sobre:
Iêmen [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.