Khalil Ashawi/Reuters
Khalil Ashawi/Reuters

Síria diz que ações russas enfraqueceram EI e ajudaram forças do regime de Assad

Segundo chefe do Estado Maior do Exército sírio, bombardeios da Rússia diminuíram a capacidade de combate do grupo extremista

O Estado de S. Paulo

08 Outubro 2015 | 09h03

DAMASCO - Os bombardeios russos na Síria enfraqueceram os jihadistas do Estado Islâmico (EI) e outros grupos armados, e ajudaram as forças do regime no território, disse nesta quinta-feira, 8, o chefe do Estado Maior do Exército sírio.

“Após os bombardeios russos, que diminuíram a capacidade de combate do EI e de outros grupos terroristas, as forças armadas sírias mantiveram a iniciativa militar”, afirmou o general Alí Abdalá Ayub.

Ele anunciou também que o Exército havia lançado hoje “uma grande ofensiva com o objetivo de esmagar os grupos terroristas e libertar as regiões que sofrem com o terrorismo”. O governo sírio considera terroristas todos os opositores armados contra o presidente Bashar Assad.

Uma fonte militar informou na quarta-feira sobre o início de uma “grande operação terrestre” no “norte da província de Hama”, no centro do país. Hoje, o exército sírio confirmou o lançamento de uma ofensiva com apoio aéreo russo contra territórios controlados pelos rebeldes, em uma ação que preocupa a Otan pelo crescente apoio de Moscou ao regime de Damasco.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, pelo menos sete civis morreram na quarta-feira em razão dos bombardeios russos em Idlib. /AFP e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.