1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Buscas por 'como se mudar para o Canadá?' disparam no Google após Superterça

- Atualizado: 02 Março 2016 | 19h 25

O jornalista Simon Rogers, que é integrante do Laboratório de Notícias do Google (Google News Lab), alertou na noite em sua conta no Twitter que as buscas sobre a mudança para o Canadá aumentaram em 350%, dado que aumentou posteriormente em em 1.150%

SAN FRANCISCO - As buscas por "Como se mudar para o Canadá?" dispararam no Google após as eleições primárias realizadas na terça-feira em 12 Estados dos EUA, nas quais a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump comprovaram o favoritismo para conseguir as respectivas indicações de seus partidos.

O jornalista Simon Rogers, que é integrante do Laboratório de Notícias do Google (Google News Lab), alertou na noite de terça-feira em sua conta no Twitter que as buscas sobre a mudança para o Canadá aumentaram em 350%, dado que aumentou posteriormente em 1.150%.

O site Mashable atribuiu o interesse no Canadá à vitória do republicano Trump em sete Estados, enquanto a rede de televisão ABC brincou hoje ao afirmar que o carisma do novo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, pode ter motivado o gigantesco aumento nas buscas.

O Estado no qual foram feitas mais buscas sobre o Canadá foi Massachusetts, onde Trump recebeu 49% dos votos, seguido por Estados como Washington, Texas, Nova York e Califórnia.

O Mashable ressaltou que a avalanche de buscas pode explicar o erro ocorrido na meia-noite local pelo site oficial do governo canadense. "O acesso a este site pode demorar. Estamos tentando resolver o problema. Obrigado pela paciência", anunciava o site oficial canadense alguns minutos após a meia-noite local.

Votações na Superterça
Cláudia Trevisan / Estadão
Votações na Superterça

Americanos vão às urnas para a chamada Superterça, quando se define o maior número de delegados às convenções partidárias

Parte dos acessos pode proceder da página TedCruzforAmerica.com, que apoia a campanha do senador republicano pelo Texas Ted Cruz, mas que na realidade encaminha os usuários para o site do governo canadense. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX