Bush diz que EUA ainda sofrem risco de ataque

O presidente George W. Bush disse hoje que os Estados Unidos ainda sofrem risco de futuros ataques terroristas, mas prometeu que isso não vai derrubar o país. A administração Bush está trabalhando na obstrução dos recursos que sustentam Osama bin Laden e sua rede terrorista, o Al-Qaeda. Bush também reconheceu o quarto caso de antraz no país, registrado em Nova York, e disse que o governo está apressando a aplicação de leis contra os responsáveis e de medidas de saúde. ?Quero que todos no país saibam que estamos respondendo rapidamente?, afirmou. Bush anunciou hoje, formalmente, o lançamento do ?Fundo Americano para as Crianças Afegãs?. Antes do anúncio formal, o presidente aceitou a primeira doação para o fundo, uma nota de US$ 1, que foi oferecida por Justin Washington, de 6 anos. Segundo o presidente norte-americano, o fundo deu aos 58 milhões de americanos de menos de 14 anos a chance de demonstrar ?compaixão e piedade nesse momento de necessidade?. O presidente pediu que os norte-americanos retomem suas vidas normais. ?Não podemos deixar que os terroristas travem nosso país. Não podemos deixar os terroristas, alguns poucos malfeitores, nos tornem reféns?. Ele disse que o inimigo ?não é nem o povo muçulmano nem o povo afegão? e que os seqüestradores dos quatro aviões usados nos ataques de 11 de setembro estavam ?tentando seqüestrar o Islã?. ?Nossa guerra é contra o terrorismo e o mal, não contra o Islã?, repetiu mais uma vez. ?Os americanos respeitam e admiram essa religião da paz?. Chamando o povo afegão de ?vítimas da opressão? e do Taleban, Bush disse que os Estados Unidos estavam tentando enviar alimentos para a população. Ele acusou o Taleban de perturbar o trabalho das equipes internacionais de ajuda e de expulsá-los do Afeganistão. Leia o especial

Agencia Estado,

12 Outubro 2001 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.