Bush ridiculariza Kerry após debate de quinta

O presidente norte-americano, George W. Bush, ridicularizou, este sábado, o que ele chamou de ?a doutrina Kerry? como sendo uma perigosa fonte de perigos para a segurança nacional dos EUA. A declaração parece ter tido a intenção de diminuir a performance do senador democrata John Kerry no debate da noite desta quinta-feira. ?Quando ele expôs sua doutrina Kerry, o candidato democrata afirmou que a América deve passar por desafio global antes de podermos utilizar troas norte-americanas para nos defender?, disse Bush, arrancando vaias estridentes de uma platéia de seus correligionários no encontro da Associação Nacional dos Construtores de Habitação na cidade de Mansfield, na região da cidade de Akron, no estado de Ohio. ?Quando nosso país está em perigo, não é trabalho do presidente fazer uma consulta internacional, o trabalho do presidente norte-americano é o de defender a América?, declarou Bush. No primeiro debate entre os candidatos, na última quinta-feira, Kerry declarou apoiar o direito do presidente de ordenar um ataque preventivo para proteger os EUA mas, acrescentou, essa ordem deve passar ?O teste global em que seus conterrâneos, seu povo, compreende inteiramente o porquê de sua decisão, e pode-se provar ao mundo que se fez aquilo por razões legítimas?. A primeira pesquisa feita após o debate mostrava Kerry empatado com Bush há pouco menos de um mês das eleições, que acontecerão no dia 2 de novembro. O democrata tinha o apoio de 47% do eleitorado, enquanto que Bush contava com 45%, na pesquisa contratada pelo semanário Newsweek. O candidato independente Ralph Nader tinha 2% das inteções de voto. Bush tinha uma ligeira vantagem em uma pesquisa feita pela mesma revista no início de setembro, 49% a 43%. A pesquisa, que entrevistou 1.013 eleitores, foi feita entre a última quinta-feira e a manhã deste sábado e tem uma margem de erro de quatro pontos percentuais para mais ou para menos.

Agencia Estado,

03 Outubro 2004 | 06h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.