REUTERS/Jaime Saldarriaga
REUTERS/Jaime Saldarriaga

Câmara da Colômbia reativará caso contra Santos por vínculo com Odebrecht

Presidente é acusado de receber US$ 450 mil em repasses da construtora brasileira durante sua campanha

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2018 | 04h40
Atualizado 17 Abril 2018 | 08h46

BOGOTÁ – A Comissão de Acusação da Câmara dos Deputados da Colômbia reativará nesta terça-feira, 17, o processo contra o presidente Juan Manuel Santos pelo caso de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.

+ Moisés Naím: Os choques externos e a América Latina

+ Ex-ministro equatoriano é condenado a 5 anos de prisão por caso Odebrecht

“Vamos retomar as investigações no que tem a ver com a suposta infiltração de recursos da Odebrecht, que poderiam ter chegado ou não à campanha de Juan Manuel Santos em 2010 e 2014”, disse a jornalistas o representante das investigações, Nicolás Guerrero.

+ Ex-procuradora venezuelana entrega à Justiça provas contra Maduro em caso Odebrecht

+ Evo Morales pede investigações sobre elos entre Odebrecht e antecessores

Segundo ele, serão retomados depoimentos com pessoas envolvidas no caso. O propósito da diligência é colher informações suficientes para definir se a Câmara abrirá uma investigação formal contra o atual presidente ou se arquiva o processo.

O caso analisado pelos parlamentares se refere ao suposto repasse de US$ 450 mil da Odebrecht à campanha presidencial de Santos, reeleito em 2014. Um dos convocados para depor é o empresário Roberto Prieto, que trabalhou nas campanhas presidenciais de Santos em 2010 e 2014.

Também foram chamados o titular da Direção de Impostos e Alfândegas Nacionais (Dian), Santiago Rojas, que foi gerente da campanha, e o ex-senador Otto Bula, que está preso por aceitar propina de US$ 4,6 milhões para intermediar na consecução de contratos para a Odebrecht no país. Até o momento, Santos não se pronunciou a respeito. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.