Cameron consolida liderança em campanha eleitoral no Reino Unido

Diferença para Gordon Brown é de oito pontos; Nick Clegg aparece em segundo lugar

Agência Estado

03 Maio 2010 | 08h31

SÃO PAULO - A ascensão do líder do Partido Conservador nas eleições britânicas, David Cameron, está se consolidando, segundo revelou a nova rodada de pesquisas eleitorais do domingo no Reino Unido. A média das sondagens indica que, a quatro dias das eleições, a diferença para o atual primeiro-ministro, Gordon Brown, seu maior adversário, era de, em média, oito pontos.

 

Veja também:

linkAscensão de Clegg reconfigurou eleições

linkEconomia enfraquecida faz líderes hesitarem

linkHá 65% de chances de haver Parlamento misto

Projeções de partilha do Parlamento indicam o aumento da vantagem sobre o Partido Trabalhista. Os conservadores estariam a 43 assentos de obter a maioria absoluta no Legislativo, que garantiria a formação do primeiro governo de centro-direita desde a queda de John Major, em 1997.

A nova fotografia da eleição, revelada por todos os cinco maiores institutos de pesquisa da Grã-Bretanha, indica que, em média, a vantagem do conservador sobre o trabalhista subiu para 8% entre sexta-feira e ontem. Cameron teria 35% das intenções de voto, enquanto Brown, em terceiro, reuniria 27% da preferência. Nick Clegg, líder do Partido Liberal, recebeu o apoio de 28% do eleitorado.

Segundo os modelos matemáticos da ONG independente UK Polling Report, os porcentuais indicam a consolidação da bancada de Cameron no Parlamento. No fim de semana, os conservadores teriam acrescentado 18 deputados à sua base de sustentação, enquanto os trabalhistas teriam perdido dez cadeiras.

Com isso, a diferença entre os dois principais pretendentes a ocupar Downing Street teria subido de 5 para 33 deputados. Na prática, Cameron precisaria de mais 43 parlamentares para obter a maioria absoluta dos votos na sede do Legislativo. A maioria lhe daria o direito de constituir um governo sem a necessidade de apoio, a exemplo do que ocorre desde as eleições de 1974. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.