Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Candidato à presidência do Haiti desiste a seis dias do 2º turno

Internacional

AP Photo/Dieu Nalio Chery

Candidato à presidência do Haiti desiste a seis dias do 2º turno

Segundo a lei eleitoral, o candidato seria substituído pelo 3º mais votado no primeiro turno, realizado em 25 de outubro, mas Moise Jean Charles também não tem intenção de concorrer, e a eleição não pode continuar com apenas um candidato

0

O Estado de S. Paulo

18 Janeiro 2016 | 23h54

PORTO PRÍNCIPE - O candidato opositor à presidência do Haiti, Jude Celestín, oficializou nesta segunda-feira, 18, sua retirada do segundo turno das eleições no país, previsto para domingo, o que, previsivelmente, provocará um novo adiamento da votação.

Segundo a lei eleitoral, o candidato renunciante seria substituído pelo terceiro mais votado no primeiro turno, realizado em 25 de outubro, mas Moise Jean Charles também não tem intenção de concorrer, e a eleição não pode continuar com apenas um candidato, neste caso, o governista Jovenel Moise.

Em qualquer caso, a apenas seis dias do pleito, não daria tempo de modificar todo o material eleitoral para substituir um candidato por outro nas cédulas, de modo que ganha força os rumores de adiamento. As eleições já foram adiadas em duas ocasiões desde a convocação original, em 27 de dezembro.

A renúncia oficial de Celestin aconteceu em resposta à entrevista coletiva convocada na tarde desta segunda-feira pelo Conselho Eleitoral Provisório (CEP), que insistiu que as eleições do próximo domingo aconteceriam nesta data, já que os anúncios reiterados por parte de Celestin não eram oficiais.

Os rumores de cancelamento das eleições tinham conduzido a uma inexistente campanha eleitoral no Haiti, que hoje mesmo levaram o governista Moise a pedir que os haitianos comparecessem às urnas, além da citada entrevista coletiva do CEP.

A esta situação se soma o anúncio que um dos membros do CEP, Jaccéus Joseph, não tem intenção de participar dos preparativos da eleição, o que desabilita a instituição para assinar os resultados das eleições.

Por decreto eleitoral, o CEP deve ter operacionais dois terços de seus membros para dar validade aos resultados das votações, mas neste momento só conta com cinco de seus nove integrantes, já que o anúncio de Joseph se soma à renúncia de outros dois integrantes, e à suspensão de um terceiro por, supostamente, aceitar um suborno.

Desde que foram anunciados os resultados do primeiro turno das eleições ocorreram protestos violentos e nesta segunda-feira milhares de haitianos saíram às ruas de várias cidades do país em rejeição à realização do pleito e contra o governo.

A CEP condenou o ataque a vários de seus escritórios em diversas cidades do norte do país durante a madrugada, poucas horas antes das passeatas convocadas pela oposição contra a fraude que consideram ter havido no primeiro turno das eleições presidenciais. / EFE

Mais conteúdo sobre:

Comentários