REUTERS/Jean-Paul Pelissier/File Photo
REUTERS/Jean-Paul Pelissier/File Photo

Candidato da esquerda radical sobe nas pesquisas para presidência da França

Jean-Luc Mélenchon, do partido França Insubmissa, está na terceira posição com 18% das intenções de voto, atrás apenas de Marine Le Pen e Emanuel Macron, com 24% cada

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2017 | 14h14

PARIS - A menos de duas semanas das eleições presidenciais na França, o candidato da esquerda radical, Jean-Luc Mélenchon, registra um avanço considerável nas pesquisas e se aproxima dos favoritos, a candidata da extrema direita Marine Le Pen e o centrista Emmanuel Mácron.

Mélenchon, candidato do partido França Insubmissa, subiu seis pontos nas últimas três semanas e aparece em terceiro lugar, com 18% das intenções de voto, superando pela primeira vez o conservador François Fillon (17%), abalado por um escândalo de corrupção, de acordo com uma pesquisa Kantar Sofres-Onepoint.

Le Pen, estimulada pelo Brexit e pela vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, e Macron, de 39 anos e ex-ministro do governo do presidente François Hollande, permanecem como os candidatos em melhor posição para o primeiro turno, que acontecerá no dia 23.

Ambos têm 24% das intenções de voto, o que significa uma queda de dois pontos para cada uma na comparação com a pesquisa anterior. Mélenchon celebrou no domingo o "novo entusiasmo" ao redor de sua campanha.

Jean-Luc Mélenchon, de 65 anos, participa pela segunda vez de uma eleição presidencial. Em 2012 ficou em quarto lugar, com 11,1% dos votos. Com o apoio do Partido Comunista, Mélenchon, admirador dos governos latino-americanos de inspiração bolivariana, propõe um programa anticapitalista com o que chama de "revolução cidadã".

Seu programa inclui ainda a ruptura com os tratados da Europa "liberal", a saída da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o aumento do salário mínimo e a aposentadoria aos 60 anos.

Apesar da convergência de ideias com o candidato socialista, Benoît Hamon, Mélenchon se negou a formar uma aliança com o candidato oficial do partido governista, que nas últimas semanas caiu nas pesquisas e agora registra menos de 10% das intenções de voto. Os outros seis candidatos à presidência francesa têm menos de 5% das intenções de voto.

As eleições presidenciais, com primeiro turno em 23 de abril e segundo turno em 7 de maio, são consideradas as mais incertas da história recente da França. Um em cada três eleitores se declara indeciso ou afirma que pode mudar de candidato.

Esta situação inédita complica o trabalho dos institutos de pesquisas, observados com muito cuidado após a incapacidade dos institutos americanos e britânicos de prever a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos e o voto a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Jean-Luc Mélenchon Esquerda França

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.