Marco Bello/Reuters
Marco Bello/Reuters

Capriles usa vídeo de Chávez para exigir referendo revogatório contra Maduro

Nas redes sociais, líder opositor que disputou as últimas duas eleições presidenciais compartilhou montagem com trechos de discurso do ex-presidente do país, seu adversário histórico

O Estado de S. Paulo

11 Abril 2016 | 10h52

CARACAS - O candidato da oposição venezuelana nas últimas duas eleições presidenciais - de 2012 e 2013 -, Henrique Capriles, divulgou no fim de semana um vídeo contendo fragmentos de um discurso do ex-presidente Hugo Chávez (veja abaixo) para exigir que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de início do processo de realização do referendo revogatório do mandato do líder bolivariano Nicolás Maduro.

No vídeo - que intercala imagens de Chávez com cenas de pessoas enfrentando longas filas para obter alimentos e outros bens de primeira necessidade - o ex-presidente diz ser "propulsor e defensor da figura (jurídica) do referendo revogatório" na metade do mandato de qualquer autoridade eleita por voto popular, processo que ele próprio enfrentou e saiu vitorioso em 2004.

A publicação do vídeo por Capriles se dá num momento em que o governador do Estado de Miranda acusa a presidente do CNE, Tibisay Lucena - considerada chavista pela oposição -, de bloquear o início do referendo contra Maduro.

"Você será responsável pelo que acontecer neste país, por se rum obstáculo para que os venezuelanos possam resolver toda a crise política, toda esta crise que vivem os venezuelanos, com uma solução eleitoral", afirmou Capriles se referindo à Tibisay.

Capriles também chamou a dirigente do órgão eleitoral de "mentirosa" depois de Tibisay dizer na sexta-feira que a oposição não entregou todos os documentos necessários para abrir o processo do referendo revogatório como estabelecido na Constituição.

O líder opositor exibiu três solicitações feitas pela aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) ao CNE desde o início de março para esclarecer os pontos que o CNE diz não terem sidos cumpridos. Tibisay se defende dizendo que as solicitações foram feitas para autoridades eleitorais diferentes com "a intenção política" de afetá-la.

A la mitad del mandato. El pueblo debe juzgar a sus gobernantes #AvancemosYa #Revocatorio Publicado por La Fuerza del Cambio em Sexta, 8 de abril de 2016

A MUD, liderada por Capriles, é defensora do referendo revogatório e de uma emenda constitucional que reduza a duração do mandato de Maduro, que negou em diversas situações que vá renunciar ao cargo. A coalizão estuda se o que considera ser uma atitude de "omissão" da presidente do CNE pode implicar em "alguma responsabilidade adminstrativa ou penal" contra ela.

"Vocês serão corresponsáveis pelo que acontecer no país. Aqui não estamos julgando. Aqui estamos exigindo que nosso direito, que está na nossa Constituição. Queremos uma mudança pacífica, constitucional, democrática, que seja uma decisão do povo venezuelano e, portanto, eleitoral", disse Capriles.

A MUD prometeu entregar ao CNE nesta segunda-feira, 11, ou na terça, 12, uma nova carta pedindo que seja "esclarecido o formato no qual o órgão máximo eleitoral do país deseja receber a planilha com o 1% (das assinaturas de eleitores registrados". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.