Henry P. Taylor/Atlanta Journal-Constitution via AP
Henry P. Taylor/Atlanta Journal-Constitution via AP

Casal nos EUA é condenado por invadir festa de menino negro e gritar insultos racistas

Em 2015, Jose Ismael Torres e Kayla Rae Norton entraram no local balançando bandeiras dos confederados e ameaçando de morte os convidados

O Estado de S. Paulo

28 Fevereiro 2017 | 15h50

DOUGLASVILLE, EUA - Um casal foi sentenciado a cumprir pena em regime fechado por ter invadido uma festa de aniversário de um menino negro de oito anos em 2015. O casal branco estava com um grupo de pessoas que balançavam bandeiras dos confederados e insultavam os presentes na festa.

Jose Ismael Torres, de 26 anos, e Kayla Rae Norton, de 25 anos, faziam parte de um grupo de 15 pessoas que invadiu a festa de aniversário em Douglasville em julho de 2015, menos de um mês depois que o supremacista branco Dylann Roof ter matado nove fiéis negros em uma igreja na Carolina do Sul.

Torres e Kayla foram declarados culpados na segunda-feira 27 por gritar insultos raciais e ameaçar matar os presentes na ocasião, incluindo as crianças. Em um determinado momento, ele apontou uma espingarda para os convidados, disseram os procuradores.

O homem foi sentenciado a 13 anos de prisão e Kayla, a 6, informaram os veículos de imprensa locais. Outras duas pessoas também foram declaradas culpadas e receberam penas menores. “As ações deles foram motivadas por ódio racial”, disse o juiz William McClain. Ele ordenou que o casal seja banido do Condado de Douglas assim que forem soltos.

“Esse é um comportamento que até os apoiadores da bandeira dos confederados consideram criminoso e não deveria ser permitido”, afirmou Brian Fortner, procurador do Condado de Douglas, em nota. / AP

Mais conteúdo sobre:
Racismo Estados Unidos Preconceito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.