EFE/Alejandro Ernesto
EFE/Alejandro Ernesto

Cemitério onde serão depositadas cinzas de Fidel é morada de 'heróis cubanos'

No local, em Santiago, estão enterrados companheiros do líder da Revolução de Cuba durante os anos de combate ao regime de Fulgencio Batista

O Estado de S. Paulo

03 Dezembro 2016 | 13h37

SANTIAGO DE CUBA - Após nove dias de luto e homenagens, as cinzas do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, morto no dia 25 de novembro, serão depositadas neste domingo no Cemitério Santa Ifigênia, em Santiago, junto ao herói nacional José Martí. O local é conhecido por ser a necrópole dos mártires e heróis cubanos.

A decisão de depositar as cinzas de Fidel nesse cemitério foi um dos primeiros detalhes de toda a cerimônia do funeral a ser divulgado pela comissão organizadora, mas quase nada se sabe sobre como será a tumba do líder revolucionário - por outro lado, o local onde um dia será enterrado o atual presidente cubano, Raúl Castro, é conhecido: no mausoléu da Segunda Frente Guerrilheira.

O Cemitério Santa Ifigênia foi uma escolha natural para se tornar a última morada de Fidel, já que ele nasceu na região e Santiago foi palco de lutas pela independência de Cuba e abrigo aos "barbudos" liderados por Fidel no combate ao regime de Fulgencio Batista. Batizado com o nome de uma santa negra, o cemitério é um dos mais antigos da ilha e foi inaugurado em fevereiro de 1868. 

No local, diversos túmulos ganham destaque por serem de cubanos que sempre lutaram pela independência da ilha, seja do domínio espanhol, seja da ditadura Batista. Mas além dos famosos nomes, diversos companheiros de Fidel foram enterrados ali e em suas tumbas estão as bandeiras de Cuba e do Movimento 26 de Julho – organização liderada pelo ex-presidente cubano. 

Os participantes do assalto ao Quartel Moncada, ação liderada por Fidel em 1953, são alguns dos guerrilheiros em Santa Ifigênia, considerado ainda um museu a céu aberto pelas obras de arte que rodeiam as tumbas. /EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Cuba Fidel Castro Santiago

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.