CENÁRIO: Acerto de contas com o presidente é o próximo passo

WASHINGTON - A derrota de Roy Moore é um divisor de águas para o movimento nacional contra abuso sexual. As acusações de que Moore assediou uma garota de 14 anos criou uma disputa que não havia. Qualquer republicano teria uma vitória fácil no Alabama, que é reduto do partido. “As mulheres não querem mais que o problema do assédio sexual seja varrido para debaixo do tapete”, disse Jessica Leeds, uma das que acusaram, no ano passado, Donald Trump, então candidato à presidência, de assédio sexual.

Karen Tumulty / W. POST, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 05h00

A improvável vitória do democrata Doug Jones é um sinal de que a fórmula para vencer uma eleição num clima político extremamente polarizado, aperfeiçoada por Trump, não é tão confiável. “À medida que o movimento #MeToo (#EuTambém) se consolida e amadurece, ele vai além de extirpar os malfeitores individualmente para buscar um novo patamar de responsabilidade”, declarou Fatima Goss Graves, presidente do National Women’s Law Center. “O objetivo é que os indivíduos sejam responsabilizados, mas também queremos transformar as instituições. E há uma pressão para que as instituições finalmente entendam isso.”

Em entrevista realizada antes de a eleição no Alabama ser concluída, a deputada do Partido Democrata Pramila Jayapel, de Washington, afirmou que, se Jones vencesse a eleição, seria uma vitória política fantástica e uma vitória das mulheres de todo o país, porque não haveria um pedófilo no Senado dos Estados Unidos. “Mas o assunto não encerrou. Ainda existem muitas questões que temos de resolver”, disse.

A deputada observou que muitos líderes republicanos em Washington também se opunham a Moore. “Sob muitos aspectos, Roy Moore foi a mais fácil de todas as disputas que nós, do movimento #MeToo, temos pela frente.”

Uma delas será como lidar com as persistentes acusações contra Trump. O presidente e seus aliados insistem que todas as mulheres que o acusaram são mentirosas e politicamente motivadas, afirmando que as acusações foram contestadas judicialmente. No entanto, ele nunca entrou com processo nenhum e o assunto não será resolvido tão cedo. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.